Os efeitos que a fintech GuiaBolso possui no seu bolso são surpreendentes

Da Redação

Por Da Redação

27 de setembro de 2016 às 13:27 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Uma das melhores startups de fintech que eu conheço (e uso) no Brasil é o GuiaBolso. Fiquei surpreso esses dias ao ver alguns amigos (que julgava financeiramente irresponsáveis) compartilharem conteúdo da startup no Facebook. Fiquei feliz ao entender que, de fato, a startup estava cumprindo o que prometia: melhorar a vida das pessoas.

Bom, é para isso que nasceu a startup, conforme o próprio fundador contou para mim. “O GuiaBolso segue como objetivo transformar a vida financeira do brasileiro. Queremos estimular as pessoas a tomarem boas escolhas financeiras após se depararem com informações e dados de uma maneira organizada”, conta Thiago Alvarez, fundador e co-CEO do GuiaBolso.

Com isso, a ideia do aplicativo era realmente fazer com o brasileiro tratasse melhor o seu dinheiro. “Investir melhor o dinheiro, sair de linhas de crédito caras e melhorar o equilíbrio entre receitas e despesas. A inspiração para tudo isso surgiu de um profundo desejo de ajudar o brasileiro com as suas finanças, o que está associado até ao nosso histórico profissional”, explica.

Essa motivação dos fundadores deriva das próprias experiências que eles tiveram durante a vida. “Tanto eu como o Benjamin Gleason, o outro fundador do GuiaBolso, trabalhamos no passado em alguns projetos de finanças na consultoria McKinsey & Company, onde nos conhecemos. Ao mesmo tempo já havíamos tido experiências com projetos sociais”, conta Alvarez, que por cinco anos foi diretor financeiro da ONG Alfabetização Solidária, da Ruth Cardoso.

Enquanto isso, o americano Benjamin fez alguns trabalhos voluntários, inclusive morando três meses na Rocinha, a maior favela do Rio de Janeiro no Rio de Janeiro, para reestruturar as finanças de uma ONG da área de educação. “Resolvemos juntar todo nosso conhecimento das duas áreas para uni-los numa nova startup que oferecesse algo que o mercado ainda não possuía, uma tecnologia que ajudasse as pessoas a tomarem decisões financeiras. E assim surgiu o GuiaBolso”, conta.

O GuiaBolso é uma das fintechs que vão participar do Fintech Class, um evento exclusivo do StartSe para explicar tin-tin por tin-tin o que é esse setor e como ele pode mudar a sua vida. Além deles, outros grandes nomes como Nubank e Banco Original já confirmaram suas presenças. Dê uma olhada aqui.

Empreender com uma fintech, é fácil?

Se empreender já é uma dinâmica difícil para qualquer empreendedor, imagine alguém que está tentando realizar um trabalho de conscientização em um assunto que o brasileiro pouco entende. “Empreender é algo desafiador, independentemente de ser no Brasil e voltado para a área de fintechs. Além de conseguir bons investimentos, você precisa montar uma empresa com uma equipe muito boa, que seja a cara do negócio”, afirma Alvarez.

E se buscar uma equipe já é difícil, também é difícil encontrar um investidor que esteja alinhado com as expectativas das pessoas. “Na busca por estes dois elementos, as empresas passam por altos e baixos no ciclo de vida. Poucos investidores realmente entendem e olham com atenção para o Brasil. E é importante nessa busca por investidores identificar fundos que compreendam o seu negócio, que estejam alinhados com o objetivo e que respeitem cada fase da empresa”, complementa o empreendedor.

As dores costumam ser as mesmas de qualquer outro empresário que tenta empreender no Brasil – o tamanho do governo, a burocracia, as leis trabalhistas, os impostos, a falta de qualificação… “No lado do quadro profissional, existe uma falta crônica de pessoas qualificadas, além da burocracia já conhecida das leis trabalhistas”, explica.

Mas estar inserido em um mercado com alto potencial e pouco explorado acaba compensando para Alvarez. “Por outro lado, o mercado de fintechs possui grandes vantagens. Apesar de a indústria ser consolidada e bem regulada, o mercado financeiro é muito grande e possui muitas ineficiências para serem atacadas. Definitivamente não é um mercado para amadores, mas possui muitas oportunidades”, comenta.

Os efeitos do GuiaBolso na sua vida

Se há um ponto bom, é que o GuiaBolso tem sido transformador na vida das pessoas – e isso é uma motivação gigantesca para o empreendedor. “O GuiaBolso acredita que o brasileiro possa tomar boas decisões quando passa a ter acesso à informação. E por informação, entende-se não somente o conhecimento sobre produtos financeiros, mas também sobre os próprios dados financeiros”, afirma.

As pessoas realmente mudam seu comportamento quando passam a usar o aplicativo. “Fizemos uma pesquisa que comprovou justamente o poder deste acesso à informação. Quando o usuário conecta a conta ao GuiaBolso temos acesso a um histórico de gastos de três meses antes do uso do aplicativo. Um levantamento comparou o comportamento deste usuário nos três meses antes do controle financeiro com os três meses depois”, conta.

Seus hábitos financeiros passam a ser hábitos mais de longo prazo, com preocupações que vão além  do dia-seguinte. Passam a controlar mais seus próprios destinos com essa ferramenta. “O valor economizado após três meses de uso do aplicativo aumentou em 155%, ou seja, mais que dobrou, o que em termos financeiros significa uma economia de R$ 476 a mais todos os meses”, destaca o fundador do aplicativo.

Elas também tomam decisões financeiras mais sábias e evitam créditos muito caros, que seriam muito negativos para seus bolsos. “Com mais dinheiro sobrando na conta, o valor investido cresceu 33%. Outro ponto positivo é que o número de pessoas que usa o cheque especial para fechar o mês caiu 25%, ou seja, 1 em cada 4 pessoas deixou de contratar o crédito caro”, diz.

Essa é a importância do GuiaBolso: melhorar a vida das pessoas através da visualização de dados, acompanhados automaticamente pelo aplicativo quando o usuário dá a permissão. “A conclusão é que após o usuário ter acesso aos dados sua vida financeira sofreu impacto positivo em diferentes aspectos.”, afirma.

São muitas oportunidades ainda não exploradas

Se o GuiaBolso. “Não posso falar em nome dos bancos, mas o que concluímos é que o mercado financeiro é muito grande, como já dito anteriormente, e que realmente existem muitas demandas dos consumidores ainda não atendidas hoje em dia”, destaca.

E é para ajudar cada vez mais os brasileiros que o GuiaBolso trabalha, com o intuito de fazer com que você tenha uma vida melhor por conta do aplicativo. “E é nisso que o GuiaBolso se foca todos os dias no momento em que vai desenvolver o aplicativo e novas funcionalidades”, termina Alvarez.

[php snippet=5]
E não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook!