Os CEOs de tecnologia que querem ser os melhores do mundo

Chefes de empresas apostam no bem estar dos funcionários e levam o título de "amigões" ao extremo

Avatar

Por Paula Zogbi

19 de janeiro de 2016 às 17:01 - Atualizado há 4 anos

Depois de Dan Price, o CEO da startup Gravity, que resolveu pagar US$70.000 anuais a todos os seus funcionários – e teve que fazer cortes drásticos no próprio salário para isso – uma nova empresa de tecnologia está prometendo se tornar o “paraíso” para seus funcionários.

É a Basecamp, empresa de software gerida por Jason Fried que possui uma filosofia bastante diferente da que normalmente vemos por aí. Imagine, por exemplo, uma empresa que incentive que você durma bem, não trabalhe mais do que 40 horas semanais e expanda seus horizontes.

“Trabalhar mais de 40 horas por semana não significa que você está se esforçando no trabalho. Só significa que você está trabalhando mais de 40 horas por semana”, escreve o CEO no Twitter. Em uma entrevista ao Huffington Post, ele afirma que as políticas de empresas do tipo “não deixe o escritório, tudo o que você precisa está aqui” – como as que oferecem lavanderia e comida dentro do escritório – o “enojam”. Lembra do funcionário do Google que mora em um caminhão no estacionamento da empresa? Então.

Em uma postagem de blog na semana passada, Fried, que diz que quer que os funcionários experimentem viver a vida quando estão fora do escritório, descreveu todos os benefícios que a Basecamp oferece. Entre eles, estão:

– Salários 5% maiores do que o resto do mercado;

– Semanas de 4 dias úteis no verão: entre maio e agosto, verão do hemisfério norte, os funcionários trabalham apenas 32 horas semanais, de segunda a quinta;

– US$100 mensais para a academia;

– Um mês sabático a cada três anos;

– Licença maternidade de 16 meses e licença paternidade de 6 meses, ambas pagas;

– US$100 mensais para massagens;

– US$1000 para despesas com educação

– Trabalhe onde quiser: “mude de cidade, mantenha seu emprego”;

– Plano de aposentadoria;

– Presentes de natal;

– Três semanas de férias, que podem ser aproveitadas em viagens pagas pela empresa.