Obama alertou o congresso de que boa parte dos empregos serão destruídos

Camadas mais baixas devem sofrer com a automação dos serviços mais manuais da sociedade

Avatar

Por Lucas Bicudo

11 de março de 2016 às 14:50 - Atualizado há 4 anos

Em relatório econômico do mês de fevereiro, divulgado pelo Presidente Barack Obama ao Congresso Nacional Americano, foi feito um alarde sobre a substituição e o controle da mão de obra robótica em setores de características mais manuais do mercado dos Estados Unidos.

O CEA (Council of Economic Advisers) da Casa Branca relata que podemos mapear como será a automação desses serviços. Segundo o conselho, a porcentagem de chances de um funcionário perder seu trabalho para a robótica, mais ou menos pelo ano de 2030, é baseada em quanto esse mesmo ganha por hora: ou menos que US$ 20, entre US$ 20 e US$ 40, ou mais que US$ 40.

Os resultados mostraram que há uma probabilidade média de 0.83 para a automação de serviços menos remunerados e mais manuais, como chapeiros, call centers, caixas de supermercados. Já para aqueles que ganham entre US$ 20 e US$ 40 por hora, “a classe média ascendente”, existe uma probabilidade de 0.31 que seus serviços sejam automatizados.  Quem leva mais de US$ 40 dólares por hora não precisa tanto se preocupar; há apenas 0.04 de probabilidade média que seus trabalhos sejam substituídos por robôs.

Em outras palavras e agora sendo mais direto, 62% dos trabalhadores dos Estados Unidos podem estar em risco.

“Essas informações demonstram a necessidade de criação de uma nova e robusta agenda de educação e treinamento. Só assim garantiremos que haja uma transição tranquila e sem muitos percalços para onde nos encontramos hoje, até um futuro em que há possibilidade de trabalho para todos”, diz o relatório.