O Facebook está com medo de uma rede social praticamente desconhecida

Avatar

Por Paula Zogbi

27 de outubro de 2015 às 15:08 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Alguns anos atrás, um grupo de pessoas resolveu criar uma rede social “com consciência”, na qual os conteúdos gerariam receitas não aos fundadores, mas aos usuários que os publicassem: o Tsu.co. Quem for convidado a usar a plataforma, de acordo com a página da rede social, recebe até 90% do que for arrecadado pela plataforma. Seu conteúdo gera receita para você e para os seus amigos que interagirem com ele. Parece ótimo, não?

O Facebook discorda. Nos últimos dias, os usuários da rede social de Zuckerberg que tentarem publicar links ou conteúdos relacionados ao Tsu se deparam com uma surpreendente mensagem de bloqueio:

Mas o que isso significa?

Nos últimos tempos, o noticiário afirma que o Tsu recebeu um financiamento de US$7 milhões em capital de risco, e que a rede social começará a ganhar bastante dinheiro com royalties. Nos primeiros seis meses, já foram registrados 3,5 milhões de usuários.

Além disso, o Tsu chama a atenção pela forma como distribui o conteúdo. No Facebook, por exemplo, se a página da sua empresa tem dez mil curtidas, apenas uma fração dessas pessoas de fato recebe o conteúdo publicado – porque a intenção é que as páginas paguem por conteúdos “impulsionados”. No concorrente, todos que acompanham uma página têm acesso a todos os conteúdos. Também existe a possibilidade de doar 5% da receita a instituições de caridade da escolha de cada um dos grupos que se formarem no Tsu.

Os usuários também reclamam muito da invasão de privacidade do Facebook, que não esconde que tem acesso a tudo o que os usuários dividem entre si. Teoricamente, o Tsu não faz isso. Em resumo: a ameaça à maior rede social do mundo ficou real.

De acordo com a rede de Zuckerberg, o bloqueio se dá por “violação de regras de API”. Mas existem outros bons motivos para que a novidade não seja vista com bons olhos também, expostos neste texto. Vamos a alguns deles:

O dinheiro do Facebook não vem necessariamente do seu conteúdo, mas sim de investidores dispostos a pagar por isso

E nem tem tanto dinheiro envolvido: o Tsu promete ficar com apenas 10% da receita que gera com suas postagens? O lucro do Facebook no ano passado foi de US$1,5 bilhão no ano passado, com 1,317 bilhões de usuários ativos mensalmente. Outro dado: US$2,24 em ganhos por usuário no segundo trimestre de 2014. Individualmente, nenhum usuário está lotando os bolsos de Zuckerberg.

Há muito menos funcionalidades: mesmo que o Tsu atinja um número razoável de usuários, ainda não é uma plataforma que permite conversar em tempo real através de chats, por exemplo, ou controlar a privacidade do seu conteúdo

– De acordo com a coluna, ou o Tsu passa a cobrar mais, ou não vai conseguir se manter: a administração de recursos como redes de usuários e base de dados custa muito dinheiro, além da contratação de diversos profissionais de engenheiros a designers – esta imagem mostra que eles ainda nem conseguiram adicionar uma base segura por meio de HTTPS. Talvez o Tsu consiga tudo isso por meio de doações de usuários, mas é realmente difícil imaginar que as pessoas que querem sair do Facebook para ganhar dinheiro resolvam doar tanto desse dinheiro a essa nova rede social.