Ministério das Comunicações cria plano para apoiar e regulamentar internet das coisas

Avatar

Por Júlia Miozzo

7 de dezembro de 2015 às 16:49 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – O Ministério das Comunicações deve apresentar, até o final do ano, uma proposta para a criação do Plano Nacional de Comunicação entre Máquinas e Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), documento que estabelecerá como as empresas serão estimuladas a investir em projetos relacionados à Internet das Coisas no Brasil.

Desde o ano passado, a IoT é um assunto discutido entre diversos setores, desde a educação até o automobilístico e de telecomunicações. O que se discute sobre a nova tecnologia é que ela será capaz de integrar e conectar todos os dispositivos do cotidiano – smartphone, carro, computador e até casa. “A comunicação máquina a máquina tem potencial para beneficiar principalmente os países em desenvolvimento”, disse o secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, ao portal Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

As áreas prioritárias para investimentos são agricultura, cidades inteligentes, educação, energia, logística, saúde e produtividade industrial. Outros aspectos, como a regulação das empresas, tributação de produtos e serviços e requisitos de segurança dos dados estão sendo trabalhados.

Segundo o Ministério, o Brasil já é o quarto maior mercado do mundo em termos de conexão entre máquinas. Para o secretário, a Internet das Coisas pode ajudar o Brasil a se tornar eficiente na indústria, conectando as máquinas à internet, e na saúde, por exemplo.

Um dos objetivos do Plano Nacional de Internet das Coisas é garantir a interoperabilidade dos sistemas, ou seja, a capacidade dos dispositivos fabricados por diferentes empresas de se comunicarem. Garantir a segurança das transmissões é outro aspecto essencial.