Marketing de Conteúdo

Como fazer o seu negócio se destacar da concorrência e ganhar visibilidade sem gastar muito.

Avatar

Por Erica Queiroz

15 de fevereiro de 2016 às 09:28 - Atualizado há 4 anos

O marketing de conteúdo é muito utilizado pelas empresas, mas, para uma startup, ele pode ser um dos melhores e mais eficazes recursos para divulgar a própria empresa, seus produtos ou serviços com custo ínfimo.

Contudo, você precisa ser consistente e descobrir o que funciona para o seu negócio. No ambiente digital, por exemplo, não adianta ter um bom conteúdo e não ser encontrado nos sistemas de busca. Também não adianta ser encontrado e logo abandonado, pois o conteúdo não tem muito a ver com o que levou alguém à sua página. É necessário coerência. E a consistência é imprescindível: você tem de estabelecer a periodicidade de publicação de seu conteúdo e ser fiel a ela. Publicar uma vez e depois desaparecer não vai levar o seu negócio a lugar nenhum.

Pense numa lista de cinco a dez palavras-chave que têm mais a ver com o seu negócio. Quanto mais específicas elas forem, melhor, por dois motivos: as pessoas encontrarão o seu site com mais facilidade e, se o conteúdo realmente tiver tudo a ver com a palavra em questão, as pessoas ficarão mais tempo em seu site/blog/e-commerce e isso melhorará a sua posição nos sistemas de busca. Só tome cuidado para não exagerar e escrever um post em que a palavra apareça uma vez em cada linha!

As palavras mais relevantes podem até mesmo ser categorias do seu site. Se você vender remédios, por exemplo, “bula” poderia ser uma das categorias. Mas lembre-se de que palavras muito genéricas como “bula” são muito procuradas na net. Então o seu site não vai se sobressair com ela. Um exemplo de palavra (bem, deveria ser uma frase-chave, mas se considera palavra mesmo) mais específica e relevante seria: “remédios para diabetes tipo 2”.

Além do conteúdo, você também deve se preocupar com a forma. Escrever mal é muito feio e hoje alguém pode dar um print da tela e o seu erro ser “imortalizado” na rede. Portanto, deixe essa tarefa com alguém que saiba escrever bem e falar a mesma língua do seu público.

Uma observação importante a se fazer é quanto ao conteúdo adaptativo. Não estou falando de design responsivo – apesar de os termos serem confundidos com frequência -, em que o design se adapta de acordo com o equipamento que você estiver usando (somente em termos de layout, de aparência), mas de conteúdo adaptado mesmo, de acordo com um grupo específico de usuários que você queira atingir, por meio de metadados que definirão que conteúdo será exposto em cada tipo de aparelho ou lugar, para diferentes pessoas, de diferentes idades, por exemplo, gerando experiências exclusivas em diferentes plataformas. O conteúdo adaptativo é de extrema relevância para a sua estratégia. Em outro post falarei mais sobre isso.

Vale ressaltar também que conteúdo não é apenas texto (posts, e-mails, livros, e-books…). Pode ser um podcast, um vídeo, um webinar e até mesmo uma imagem com explicações, como um infográfico, por exemplo, que pode ser utilizado para mostrar conteúdo de uma forma mais fácil de visualizar e também mais didática. E imagens e vídeos interessantes costumam ser bastante compartilhados, aumentando, gratuitamente, a exposição de seus produtos ou serviços, além de também ter muito peso o fato de que o número de acessos a vídeos vem crescendo de modo exponencial. Num país em que as pessoas não gostam muito de ler, como o nosso, essa é uma dica que vale ouro! 🙂

Finalmente, teste constantemente o resultado de seu conteúdo. Se postar vídeos, por exemplo, veja em que horários e dias da semana eles fazem mais sucesso em diferentes redes, que público foi mais atingido, quando houve mais interações… Meça tudo o que for possível medir para ver o que funciona melhor para o seu negócio. E, assim, adeque o seu conteúdo constantemente, para que possa colher os melhores resultados.