Marissa Mayer vai demitir pessoas para salvar Yahoo; Brasil é mantido (por enquanto)

Da Redação

Por Da Redação

28 de janeiro de 2016 às 12:25 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Yahoo já foi uma das maiores empresas de internet do mundo, mas nos últimos anos vem passando por uma crise bravíssima. O novo capítulo é o mesmo de sempre: a CEO, Marissa Mayer, demitirá grande parte da equipe e fechará projetos inteiros para tentar salvar a empresa, mostra o site Re/Code.

Agora ela tem uma listra com três opções: (1) Investir, para projetos que estão dando certo e merecem crescer dentro da empresa, (2) Manter, para os que não estão indo tão bem, mas também não merecem ser cortados e (3) Matar, destinado para os projetos que estão performando abaixo do que se esperava. Enquanto isso, a empresa tem demitido centenas de funcionários secretamente.

Há uma “precisão cirúrgica” nestes primeiros cortes, que vem impactando todos os níveis de empregados do Yahoo. Isso vem por conta da pressão dos investidores que insistem que Marissa corte os gastos, algo que ela concorda – mas que diz que fará do “seu próprio jeito”.

A empresa deverá fortalecer o segmento de busca móvel, manter alguns projetos de mídia mais importantes como o Yahoo Finance e matar alguns ativos fora dos Estados Unidos e outros sites que não tem performado bem. Marissa deve falar um pouco dos planos na próxima semana, junto com o resultado da empresa.

Uma das próximas coisas que podem acontecer é o Yahoo “vender” seu core business (o próprio Yahoo) por cerca de US$ 6 bilhões – a Verizon, AT&T e a News Corp estariam entre as interessadas. Os investidores então ficariam com as ações que o Yahoo possui no portal chinês Alibaba e na joint-venture japonesa, o Yahoo Japan.

Durante o dia, o Yahoo confirmou o fechamento de dois escritórios: no México e na Argentina. Os escritórios de São Paulo, no Brasil, e de Coral Gables, na Flórida (que também serve ao mercado latino-americano) foram mantidos.