Japão é o maior mercado de Bitcoins, com 50,75% de participação

Junior Borneli

Por Junior Borneli

19 de setembro de 2017 às 11:00 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Japão voltou a se tornar o maior mercado de câmbio do Bitcoin com uma participação de mercado de 50,75% no mercado de câmbio global do Bitcoin.

O aumento no volume de negociação do mercado japonês de troca de Bitcoin se dá depois que o governo chinês, as autoridades locais e os reguladores financeiros solicitaram oficialmente que casas de câmbio e plataformas de negociação de Bitcoins chinesas suspendessem seus serviços até o final de setembro.

O tema se tornou tão relevante que o StartSe criou a Bitcoin Conference, maior conferência sobre criptomoedas já feita no país. São esperadas mais de 1 mil pessoas.

Há movimentos no mundo todo em torno das discussões sobre regulamentação das criptomoedas. Segundo relatório do Banco de Compensações Internacionais, as moedas digitais ganharam relevância: “Em menos de uma década, o bitcoin deixou de ser uma curiosidade obscura e passou a ser um nome familiar. Seu valor subiu de alguns centavos de dólar para mais de US$ 4 mil.”

Hoje o Bitcoin – e todas as outras criptomoedas – circulam sem regulação de bancos centrais. Um dos pontos de maior discussão é se as autoridades monetárias deveriam lançar suas próprias moedas digitais.

Para saber mais, acesse o site startse.com/bitcoin.