Google testa tecnologia secreta de aeronaves no México

Avatar

Por Paula Zogbi

6 de novembro de 2015 às 09:53 - Atualizado há 6 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Google está planejando testar uma tecnologia aérea de comunicação, que ainda é secreta, no “porto espacial” do Novo México, onde companhias como a Virgin Galactic e a SpaceX já possuem instalações.

De acordo com o Business Insider, os testes de rádio envolverão aeronaves operando a 25 mil pés de distância do chão, além de diversas estações terrestres na Spaceport America, que pretende ser o centro do turismo espacial, quando ele de fato existir, de acordo com documentos da Comissão de Comunicações dos EUA.

A reportagem também cita que o Google pediu autorização para testar a tecnologia em uma reserva indígena em Oregon, o que evidencia esforços da companhia para tomar os céus e cobrir todo o território global com sua tecnologia. O projeto chega depois do Loon, que usa balões de ar para espalhar o acesso à internet; e dos projetos Titan e Wing, que funcionam com drones que carregam acesso à internet e pacotes para entregas.

Os projetos não especificam se é o próprio Google ou o Alphabet, braço que centraliza operações de subsidiárias do gigante, criado em agosto deste ano. Tampouco se as aeronaves serão tripuladas ou não. Mas há uma descrição dos testes que diz que as frequências de rádio serão usadas somente para comunicações.

A altura de voo especificada, de 25.000 pés, é menor que a dos balões do Loon, que voam entre 60.000 e 90.000 pés. Segundo os documentos, os testes acontecem entre 31 de agosto deste ano e 27 de fevereiro de 2016.

As instalações nas quais o Google conduzirá os testes em Oregon incluem um casino e um resort e diversas torres de telefones, além de “infraestrutura básica, como um campo de pouso, hangar e capacidades de emergência”.