Ex-Google escreve livro “polêmico” sobre empresa fictícia, mas 90% é verdade

Avatar

Por Paula Zogbi

4 de fevereiro de 2016 às 16:29 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Em 2014, Filip Syta, então executivo de vendas de anúncios no Google, ficou desiludido com o emprego – e com as pessoas que trabalhavam lá – e o abandonou.

Em seguida, ele escreveu um livro, The Show, sobre uma empresa de publicidade fictícia, onde os personagens são funcionários de 20 e poucos anos que vão a festas, se divertem, transam e usam muita cocaína, além de ganhar muito dinheiro.

O livro foi publicado no mês passado pode ser comprado na AmazonAgora, Filip concedeu uma entrevista ao Business Insider, na qual revela o que é verdade e o que não é dentro dessa história: “noventa por cento”. 

O enredo é relativamente simples: o personagem principal, Victor, é apaixonado por outra funcionária, Maggie. Apesar disso, vive uma vida de festas e sexo casual, até se cansar do escritório e começar a se questionar o que fazia sentido naquilo tudo.

No meio disso, há situações como: entregadores de drogas que vão às casas das pessoas; executivos da companhia mentindo sobre resultados e números a seus clientes e descrições das festas.

Nada, entretanto, é diretamente conectado ao Google – apesar de ambas trabalharem com mecanismos de buscas, com cifras semelhantes e haver, em abas, a regra de que informações vazadas geram demissões.

Os vendedores de drogas

De acordo com o portal norte-americano, o livro descreve dois traficantes que mantém um negócio paralelo dentro da agência; onde fornecem drogas para todos os demais funcionários. A demanda era alta, e os dois trabalham na equipe de vendas, o que significa que a venda flui bem. Em determinado momento, eles montam inclusive uma equipe.

Sim, isso é inspirado na experiência pessoal de Syta na indústria de tecnologia. “Havia caras que distribuíam para quem quisesse”, explica. Mas não era a maioria das pessoas que usavam – só o suficiente.

Números e métricas

Essa pode ser considerada a parte mais grave: há partes no livro em que os números são distorcidos para chefes e clientes, pelos mais diversos motivos.

A companhia, segundo o autor do livro, é muito gerida em torno de dados. Ao BI, ele diz que “você quer mostrar uma boa imagem para o seu chefe, que quer a mesma coisa, e assim sucessivamente”, ele diz, acrescentando que raramente estes números são checados.

O sexo

Na agência fictícia, há muito sexo casual, vazio e bêbado; inclusive uma cena em que duas pessoas fazem sexo na frente de uma gerente tão bêbada que nem percebe.

Syta diz que isso é exagerado, mas que, sim, há muito sexo no Google. “É como na universidade, mas você ganha dinheiro”: há muitas pessoas jovens e muitas festas, explica, então, os relacionamentos são naturais.