EUA se preparam para dar green card para donos de startups de outros países

Da Redação

Por Da Redação

14 de abril de 2015 às 09:25 - Atualizado há 6 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – Quer morar nos Estados Unidos? Ter uma startup promissora é um dos caminhos possíveis graças à uma ordem executiva que deverá ser assinada por Barack Obama, mostra a Forbes. Citando Adeo Rossi, do Founder Institute, a ordem deverá ser assinada ainda este ano e pode “iniciar uma nova onda migratória”.

Serão dois tipos de vistos concedidos para donos de startups, sendo que um terceiro ainda está sendo discutido. O primeiro e mais simples é o de dois anos, que será concedido para qualquer dono de startup que conseguir levantar cerca de US$ 200 mil de um investidor qualificado residente dos Estados Unidos.

Você sabe como construir uma startup? O curso Startup de A a Z ensina desde a validação da ideia até a captação de investimento. Inscreva-se agora, restam poucas vagas!

Para conseguir um visto permanente, isto é, o green card, você precisa levantar US$ 750 mil de uma série de investidores americanos – não é algo simples a ser conseguido, mas que ocorre com muitas startups ao redor do mundo.

Um terceiro tipo de visto, de 9 meses, pode ser adotado após sugestão de Rossi. De acordo com o fundador do Founder Institute, caso uma startup seja aceita por uma incubadora certificada, os donos deveriam receber um visto para “começar suas carreiras e permitir que levantem os US$ 200 mil ou US$ 750 mil necessários para conseguir o visto de longo prazo”.

Obama resolveu tomar este caminho (da ordem executiva) após seus esforços de modernizar a legislação imigratória do país serem bloqueados pelo Congresso. A ideia é permitir que empreendedores escapem de países com políticas empresariais piores que os Estados Unidos e com menos qualidade.

Muitas empresas israelenses já fazem isso, com operações principais nos EUA, mas departamento de desenvolvimento no Oriente Médio. Os grandes beneficiados pela ordem de Obama deverão ser os empreendedores europeus, com custo de vida e de empresa maiores do que nos Estados Unidos.