Estudante larga faculdade de Medicina e fatura R$ 1,5 milhão com doces

Avatar

Por Júnior Borneli

27 de janeiro de 2015 às 15:46 - Atualizado há 6 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Em 2010, a carioca Carolina Sales estava cursando medicina quando sentiu a necessidade de complementar a sua renda. “A faculdade era cara, então precisava de um dinheiro a mais. Como sempre tive habilidades manuais, comecei a produzir caixinhas decorativas com tecidos e outros materiais”, diz.

Ela percebeu que as caixinhas venderiam ainda mais se tivessem doces elaborados dentro delas. Carolina então pediu a ajuda de sua avó para que ela lhe ensinasse a fazer o brigadeiro congelado, docinho que fazia sucesso nas festas de aniversário durante a infância da empreendedora.

A estudante começou as vendas levando os brigadeiros para os colegas de faculdade. Com o sucesso, passou a aceitar encomendas também. Durante os seis meses que se seguiram, as vendas cresceram. Na época, a empreendedora já contava com a ajuda da avó e mais duas funcionárias. “Não tinha a pretensão de fazer uma coisa séria, mas começou a dar tão certo que persisti. Como precisava de mais espaço, decidi abrir uma loja”, afirma.

Carolina trancou a faculdade de medicina e utilizou os R$ 20 mil que tinha economizado durante os anos em que trabalhou como veterinária (já era formada nessa especialidade) para abrir a primeira loja da Brigaderia Chic, em janeiro de 2011, no Shopping Barra Square, no Rio de Janeiro.

Os brigadeiros e os novos doces oferecidos no cardápio da loja – como bolos, brownies e cupcakes – chamaram a atenção do público. O sucesso foi tanto que ela, na época, recebeu convites para abrir sua loja em outros shoppings.

Ela acredita que a sofisticação de seus produtos foi a chave para chamar a atenção da clientela. “Nessa época o Rio era bem carente de doces gourmet, então tinha gente vindo de tudo quanto é lugar para provar as minhas receitas”, diz.

Em 2012, Carolina abria sua segunda loja, dessa vez no Condado de Cascais, na Barra da Tijuca, também na capital fluminense. A abertura deu início a uma nova fase do negócio, que deixou de ser Brigaderia Chic e ganhou o nome de Carolina Sales Pâtisserie de Brigadeiros.

Atualmente, além do atendimento nas lojas e as encomendas para festas e casamentos, a empreendedora mantém uma parceria com a rede de supermercados Zona Sul, que vende sua linha de doces congelados, e com centros de palestras nos quais faz atendimento ao público empresarial. “Eu expandi minha atuação. Quando focamos apenas em um mercado, pode ser perigoso, pois qualquer dificuldade pode destruir a empresa”, afirma Carolina. Em 2014, os negócios de Carolina faturaram R$ 1,5 milhão.

A empreendedora não pretende abrir mais lojas no momento, porque gosta de administrar o negócio de perto para garantir a qualidade. Carolina tem 20 funcionários, que ela mesma treinou. Ela os acompanha com atenção, principalmente durante a produção dos doces.