E se você pudesse comer atum, sem ter que matar o atum?

Junior Borneli

Por Junior Borneli

6 de agosto de 2018 às 11:02 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Dentre os problemas da humanidade que empreendedores de todo o mundo tentam resolver, há um que mexe com muita gente: a matança de animais para alimentação.

Uma startup situada no Vale do Silício, chamada Finless Food, parece ter achado a solução. A partir de células tronco de uma pequena quantidade de atum, eles conseguem produzir a carne em laboratório, promovendo a multiplicação dessas células.

Michael Selden, CEO da empresa, estará no Brasil para o Silicon Valley Conference, maior evento sobre as inovações do Vale do Silício já feito no país.

O “atum de laboratório” está disponível, por enquanto, apenas em restaurantes sofisticados dos Estados Unidos, uma vez que a produção da carne ainda é mais cara do que pescar o peixe.

Porém, a empresa garante que em 2019 os preços serão os mesmos. O objetivo é levar o produto para supermercados e distribuí-lo em grandes quantidades.

Além de representar um grande avanço tecnológico, essa inovação também é um passo importante no sentido da conservação de muitas espécies marinhas, uma vez que a tecnologia pode ser aplicada em outros peixes e frutos do mar.

Veja como isso funciona: