Duas grandes startups vão até os clientes “de porta em porta”

Avatar

Por Mariana Rodrigues

29 de setembro de 2017 às 18:18 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

As startups financeiras têm um grande potencial causar um impacto social na população, especialmente em economias emergentes como no Brasil. As fintechs que mais receberam aportes refletem que o mercado está atento e recebe bem essas iniciativas. Neste ano, os dois os aportes de maiores montantes divulgados foram para a Creditas – que recebeu R$ 60 milhões, em maior parte do IFC (braço de investimentos do Banco Mundial) – e a Avante – com R$ 38,6 milhões recebidos majoritariamente do Fiinlab, laboratório de inovação do grupo mexicano Gentera, e do fundo de impacto Vox Capital.

Como nem todos os brasileiros têm acesso aos recursos dessas startups digitalmente, elas estão adaptando suas estratégias para chegar até o cliente onde ele está – online ou offline.

A Avante já concedeu mais de R$ 100 milhões em microcrédito para 44 mil  microempreendedores. Desde o ano passado, a startup decidiu focar na operação de microcrédito feita porta a porta, com mais de cem agentes de crédito no Nordeste, presentes em Pernambuco, Ceará e Maranhão. “Trabalhamos orientados pelos princípios do capitalismo consciente. Nossa atuação é na base da pirâmide social com a missão de humanizar os serviços financeiros para o microempreendedor”, disse Bernardo Bonjean, fundador e CEO da Avante.

Em seu plano de expansão, a empresa prevê que a atuação seja ampliada para outros estados e pretende conceder R$ 100 milhões em microcrédito em 2017 e chegar a R$ 1 bilhão até 2021, com 2 mil agentes de crédito.  

A Creditas, plataforma digital de crédito focada em produtos com garantia, se consolidou oferecendo crédito a tarifas menores usando tecnologia e inteligência de dados para ter eficiência. A startup é a segunda maior brasileira em captação, somando um total de R$ 90 milhões – fica atrás apenas do Nubank.

Agora, a fintech anunciou que também vai ampliar os canais de distribuição de seus produtos por meio de parcerias offline, com uma rede de afiliados. “Queremos com isso acelerar a mudança no perfil de endividamento dos brasileiros caracterizado hoje por juros altos e empréstimos de curto prazo para um quadro saudável de juros baixos e prazos longos, tirando a pressão do orçamento das famílias e contribuindo também com a circulação de dinheiro na economia”, declarou Felipe Zullino, sócio e diretor de desenvolvimento de negócios da Creditas.

Saiba como fazer parte desse ecossistema

Para fazer parte do ecossistema global de fintechs, você pode cadastrar sua startup na MEDICI e na StartSe Base.

A MEDICI é uma base de dados que conta hoje com 7.000 empresas de todo o mundo. Ela pertence à Let’s Talk Payments (LTP), empresa global de conteúdo e pesquisas sobre fintechs.

A StartSe Base é a maior base de dados de startups do Brasil, com mais de 5.000 empresas cadastradas.

Sobre a Let’s Talk Payments (LTP)

LTP é a principal plataforma de conteúdo e pesquisas sobre fintechs no mundo. Mais de 400 instituições financeiras e 90 programas de inovação recorrem à LTP para obter informações sobre as empresas que estão disruptindo o setor financeiro.

Mariana Rodrigues é colaboradora regular da LTP, focada no mercado de fintechs do Brasil. Também é colaboradora do blog Dinheiro pra Viver.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.