Depois de “provocação”, Mark Zuckerberg tem mensagem para Donald Trump

Da Redação

Por Da Redação

21 de agosto de 2015 às 15:51 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – Mark Zuckerberg tem uma mensagem clara para os americanos: não curtam Donald Trump. O grupo político do fundador do Facebook, FWD.us, está chamando a atenção para “as vozes conservadoras que clamam pela deportação em massa de imigrantes” – dos quais o Donald Trump é o número 1. 

O empresário-agora-político prometeu a deportação de 11 milhões de imigrantes ilegais, lembrando em seu site que Zuckerberg é um dos apoiadores de uma reforma da lei de imigração proposta pelo senador republicano Marco Rubio – chamado de “senador pessoal de Zuckerberg” por Trump. Zuckerberg, cujo grupo políticas tem a participação de pessoas renomadas como Bill Gates, é contra as ideias de Trump.

Um post do FWD.us explica que a deportação de 11 milhões de pessoas custaria entre US$ 400 a US$ 600 bilhões e demoraria cerca de 20 anos para completar. A deportação em massa reduziria o PIB (Produto Interno Bruto) em US$ 1,7 trilhão, acima de 5% – impactando fortemente o setor agricultura, construção e hotelaria. 

O medo de Zuckerberg, porém, é sobre os comentários de Trump sobre o programa H-1B, para a contratação de funcionários estrangeiros. Para o FWD.us, qualquer plano para “restringir caminhos” para estrangeiros qualificados é “errado” e prejudicaria a economia dos EUA. O grande temor é que isso impossibilite as inúmeras inovações que surgem do Vale do Silício.

Após a crítica, Trump recuou um pouco. “Quando estrangeiros estudam nas nossas excelentes universidades e querem permanecer nos EUA, eles não devem ser jogados para fora do país. Eu quero que as pessoas talentosas venham para esse país, para trabalharem duro e virarem cidadãos. O Vale do Silício precisa de engenheiros, etc..”, disse no Twitter.