Conheça a universidade onde cada semestre é cursado em um país diferente

Avatar

Por Júnior Borneli

21 de fevereiro de 2017 às 11:02 - Atualizado há 5 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Universidade Minerva nasceu como uma startup (se você não sabe o que é isso, clique aqui). Sua proposta é muito clara: reinventar o ensino superior, retirando do processo tudo aquilo que não é essencial para o aprendizado.

E quando a empresa se refere a retirar aquilo que não é essencial, ela inclui câmpus, prédios, salas de aula, auditórios. O foco é total no aluno. Essa é mais uma demonstração da revolução causada pelas Edtechs, empresas de tecnologia que estão transformando a educação. Para entender mais sobre as Edtechs, clique aqui.

O modelo funciona assim: todos os alunos moram juntos, num mesmo prédio, no meio da cidade, e assistem às aulas pelos seus computadores, conectados a grupos pequenos de 19 pessoas. A cada semestre, todos os alunos se mudam de cidade: o curso começa no Vale do Silício, em São Francisco/EUA, e depois segue para Berlim, Buenos Aires, Seul, Bangalore, Istambul e, por fim, Londres. Em quatro anos, não apenas o aluno terá estudado o currículo, mas terá vivido da Argentina à Coreia, da Alemanha à Índia, e aplicado seus recém-adquiridos conhecimentos em projetos reais mundo afora.

Estudar nessa universidade não é barato. São cerca de US$ 10 mil dólares por ano, mais US$ 20 mil dólares anuais para cobertura de custos com viagens e moradia. Mas é bem mais barato do que estudar em Harvard ou Stanford, por exemplo, que cobram pelo menos US$ 60 mil dólares anuais.

O modelo de aprendizagem funciona em cima de uma plataforma virtual que foi desenvolvida pelo neurocientista Stephen Kosslyn, ex-reitor de Ciências Sociais de Harvard. O sistema, desenvolvido para criar interações entre um professor e 19 alunos, foi todo baseado nas pesquisas mais recentes sobre a ciência da aprendizagem.

Os alunos aprovam. “Eu nunca me diverti tanto na minha vida, mas também nunca estudei ou trabalhei tanto”, diz Lara Bach, um dos três brasileiros na segunda turma da Minerva.

Se você quer entender como as startups estão revolucionando o mercado educacional, participe do Edtech Class, maior evento sobre inovação da educação já realizado no Brasil. Acesse o site www.edtechclass.com.br.