As dicas e histórias que podem mudar a sua startup

Da Redação

Por Da Redação

22 de agosto de 2015 às 09:49 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

SÃO PAULO – Confira tudo que está acontecendo no Accelerator Day:

15:48 – Estamos de volta. Hora do Painel dos Foras de Série, com João Pedro Paro, Ronaldo Pereira e Ricardo Bellino.

14:47 – Mais uma rodada de mentorias.

14:35: Arthur dá dicas de como fazer uma boa validação de produtos.

14:22 – Primeiro eles olham a equipe e depois o produto. Gostam de mercados só se forem superiores a R$ 1 bilhão.

14:21 – As três dificuldades das startups: monetização, marketing e vendas. O programa de aceleração ajuda você a superar os três.

14:20 – Ele explica como funciona a sua aceleradora. Lema: “faturamento e lucro nunca sai da moda”.

14:15 – Arthur Garutti, da Aceleratech, vem conversar agora. Ele pergunta quem está planejando, quem tem MVP e quem já tem receitas.

14:10 – “Pensem em mercados crescentes, esse é um bom começo. Exceto paleterias, mas deixa para lá”.

14:07 – “Pensem global desde o dia 1”.

13:58 – Maior problema das startups: comercial. Nem mesmo a Apple se vende sozinho (isso ocorreu por conta de um pesado marketing)

13:53 – “Uma ideia vale de -1 até 20. A execução vale de 1 a 1 milhão”.

13:51 – Poli pergunta qual é a variável que os investidores olham primeiro para investir nos early-stages. O time.

13:50 – Depois de uma rodada de piadas, hora de Marco Poli, da Anjos do Brasil, de conversar com os empreendedores. “O investidor não é nada sem empreendedores”, diz.

13:45 – Voltamos.

12:45 – Pausa para almoço. Voltamos em uma hora.

12:35 – Ela fala sobre a proteção da confidencialidade. É importante ter um advogado a tira colo para ajudar a sua startup a prosperar.

12:25 – Paula ressalta que uma sociedade é como um casamento. Inclusive, a lei trata da mesma maneira.

12:16 – Agora um pouquinho sobre a situação jurídica de sua empresa, com Paula Tonani, da Marcílio Tonani de Carvalho, sociedade de advogados. Uma dica: tem que nascer pequeno e mesmo uma S/A de capital fechado não é nascer pequeno.

12:12 – Ele dá uma lição: “se você tem medo de ficar pobre. Nunca vai ficar rico”.

12:10 – Tenório destaca um lema norte-americano que deve nortear sua empresa: “Dream big or go home. Eu só entro para ganhar”.

12:02 – Ele conta histórias do Vale. “É um lugar mágico, encontros mágicos acontecem”, afirma. E lembra do mito das garagem do Vale do Silício.

11:52 – Ele ressalta a importância dos eventos de Startup e conta uma divertida história que ocorreu no DemoDay de Alagoas.

11:46 – Paulo Tenório da Trakto Pro agora conta a sua história: do zero ao Vale do Silício em um ano. Ele conta seus primeiros dias, inclusive dos vários calotes que levou. “Na hora de receber, os clientes viravam o Mestre dos Magos”, disse.

11:45 – A Gema convida a todos para participarem de seu evento, o Gema Sessions e agradece ao StartSe pelo espaço.

11:40 – É sempre bom ter noção do que os funcionários pensam e estimular a cultura da empresa.

11:34 – Cuidado com a vaidade: Giuliano da Gema conta de uma startup que tinha um CEO mais preocupado com o cargo do que com o trabalho. No fim, ele teve que ser substituído.

11:30 – O pessoal da aceleradora Gema agora conversa com os empreendedores. Para eles, os empreendedores precisam ser eternamente insatifeitos, resilientes, otimistas, visionários e precisa tomar decisões baseadas em estatísticas.

10:45 – Hora do circuito de mentoria!

10:26 – Ele destaca que atração e retenção de talentos é o segundo maior obstáculo de uma startup. A primeira? Altos impostos. “Mas essa você não resolve, você não vai lá em Brasília falar com a Dilma”.

Ele destaca a diferença entre cada tipo de vaga – de pouca demanda, você precisa de um recrutamento ativo, enquanto para vagas com muitos candidatos, você pode se dar ao luxo de esperar os CVs chegarem.

10:23 – Luís Testa, da Catho Empresas, começa a falar agora.

10:20 – Um dos grandes problemas? Manter as motivações dos funcionários. “Senta e conversa. Se o cara entrega resultado, como é que você não vai saber o que está acontecendo com ele?”. Outra questão: currículo não é o que importa. Fazer acontecer é.

10:11 – E como pagar seus contratados, Rafael? “Startup paga menos que o mercado mesmo, mas há formas de atrair as pessoas. Uma delas é opções de ações”. Mas a melhor forma é pagar com sonhos, com vontade de crescer e mudar o mundo. “Assim você atrai pessoas que vão vestir a camisa de verdade”, salienta.

10:07 – Onde contratar? Hunting grounds (eventos, faculdades), networking – perguntando para as pessoas próximas. “Na Artemisa a gente faz isso, é muito simples e dá certo”. No começo, o ideal é que todos os líderes da empresa recrutem para evitar conflitos.

10:02 – Ele fala agora sobre formações de equipes. Quem contratar no começo? Apenas o necessário para seu core business, focar em quem resolve seu problema (e não necessariamente só os tops players do mercado) e que complemente o seu perfil. “Se o seu problema é resolvido por um cara júnior e você não tem dinheiro para um sênior, não tenha preconceito. Foque na solução de seu problema”, diz.

09:57 – Rafael Martinez, da Artemisia, sobe ao palco e vai conversar com os empreendedores agora. No momento, ele fala um pouco de sua aceleradora e suas metodologias.

09:50 – Agora ele fala sobre as necessidades de ser muito controlado a respeito do negócio, principalmente se você pretende atrair investidores. Até mesmo os recibos de almoços precisam ser guardados. Se receber um investimento, auditores irão olhar para ver se sua empresa tem dívidas – e o seu controle sobre a saúde financeira da empresa pode ser a diferença entre o fracasso e sucesso.

09:40 – Árley fala sobre os primeiros dias de sua aceleradora e as dificuldades que acompanham. Ele conta a história de que no começo tinha de comer em um restaurante à quilo que cobrava 40 centavos por 100 gramas – e tinha todas as dificuldades possíveis. Hoje com mais de 500 mil usuários, a Zero Paper recebeu o primeiro aporte quando a ferramenta tinha apenas 5.000 usuários. “Se você quer mostrar seu produto para milhões, comece com 1.000, 5.000 pessoas”, afirma.

09:25 – Agora é a hora de Árley Moura, da QuickBooks ZeroPaper, contar a sua história para os empreendedores que aqui estão!

Ele é de Brasília e já começou a palestra falando sobre a diferença entre a mentalidade empreendedora e a do funcionalismo público, muito presente no Brasil.

09:10 -Está começando o Accelerator Day! Que tal aprender tudo sobre empreendedorismo e turbinar a sua startup? Acompanhe conosco!