Comércio eletrônico deve crescer 4 vezes nos próximos anos no Brasil

Avatar

Por Mariana Rodrigues

2 de agosto de 2017 às 19:57 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

As compras feitas no comércio eletrônico devem crescer mais de quatro vezes nos próximos anos, de acordo com a Worldpay, líder em pagamentos de alcance global. “O Brasil movimenta hoje cerca de 1,5% a 2% do PIB por comércio eletrônico. Em um país mais desenvolvido como a Inglaterra a fatia é de 8,5% a 9%. O Brasil tem toda a estrutura pronta para chegar a esses valores com utilização de smartphones, banda larga, acesso a meios de pagamento. Não temos dúvida de que esse é o futuro do pagamento no mercado brasileiro“, disse Juan D’Antiochia, Gerente Geral da Worldpay para a América Latina. A empresa vai investir R$ 70 milhões para entrar no setor de adquirência no Brasil, com foco no comércio online.

Tamanho do mercado

Mais de 58 mil compras digitais foram feitas por hora no Brasil, em 2016. Naquele ano, mesmo com a retração do consumo de 4,2% em relação a 2015, o e-commerce cresceu 11%. Isso porque cada vez mais brasileiros passam a comprar pela internet: o número cresceu 38% no ano, de acordo com pesquisa da Visa Performance Solutions.

A tendência é crescer ainda mais. 82% dos consumidores acreditam que a maior parte das compras será realizada por canal digital nos próximos cinco anos, segundo a Worldpay.  

Para atender essa demanda, comércio e empresas financeiras estão se adaptando e criando novas soluções.

Novas soluções de segurança para compras online

A segurança em um pagamento pela internet requer um sistema de verificação mais complexo do que o pagamento presencial, no qual o vendedor tem contato com o comprador e pode verificar sua identidade.

Uma fintech brasileira que desenvolveu uma solução para resolver essa questão é a Konduto. Ela monitora todo o comportamento de navegação e compra do usuário em uma loja virtual ou aplicativo mobile e usa esses dados para calcular a probabilidade de fraude em uma transação on-line. Isso além de também consideração informações “básicas” da análise de risco, como geolocalização, dados cadastrais e características do aparelho utilizado na compra.

Em 2015, a fintech verificava 1 milhão de transações mensalmente. Atualmente ela verifica mais de 4 milhões de transações por mês e pretende chegar a 5 milhões, ainda esse ano.

A Visa e o Banco Neon lançaram em parceria uma solução também voltada para compras virtuais.

Com ela o cliente do Neon recebe um cartão bandeira Visa para compras online que solicitam cartão de crédito. Mas, para o cliente, o valor é debitado da conta-corrente no momento da compra.

Autenticação feita por selfie do Banco Neon e Visa /Divulgação

Uma medida de segurança desenvolvida para esse cartão é a autenticação feita com uma selfie. Dessa forma o sistema de segurança e autenticação do banco confere se a selfie corresponde à foto do documento cadastrado. O método substitui o que no meio físico seria a senha para o cartão com chip. E assim o cliente não precisa decorar uma senha.

Worldpay investe R$ 70 milhões em parceria com banco Rendimento

Com investimento de R$ 70 milhões, a Worldpay se uniu em julho ao Banco Rendimento para entrar no setor de adquirência. A Worldpay atua no e-commerce brasileiro desde 2014. De acordo com o Juan D’Antiochia,  a oferta da empresa para o mercado brasileiro continua sendo para o comércio eletrônico, “pois acreditamos que é o mercado que mais vai se beneficiar disso. A maior parte das soluções de pagamento atuais foram pensadas primeiro para pontos de venda e depois ajustadas para o comércio eletrônico. Já a nossa solução nasce pensada para o comércio eletrônico. Esse é o nosso foco, embora possamos estudar iniciativas omnicanal.”

 

Saiba como fazer parte desse ecossistema

Para fazer parte do ecossistema global de fintechs, você pode cadastrar sua startup na MEDICI e na StartSe Base.

A MEDICI é uma base de dados que conta hoje com 7.000 empresas de todo o mundo. Ela pertence à Let’s Talk Payments (LTP), empresa global de conteúdo e pesquisas sobre fintechs.

A StartSe Base é a maior base de dados de startups do Brasil, com mais de 5.000 empresas cadastradas.

Sobre a Let’s Talk Payments (LTP)

LTP é a principal plataforma de conteúdo e pesquisas sobre fintechs no mundo. Mais de 400 instituições financeiras e 90 programas de inovação recorrem à LTP para obter informações sobre as empresas que estão disruptindo o setor financeiro.

Mariana Rodrigues é colaboradora regular da LTP, focada no mercado de fintechs do Brasil. Ela é COO da SGC Conteúdo. Para acompanhar o conteúdo produzido pela LTP no Brasil e no mundo, cadastre-se na newsletter.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.