“Com o investimento que recebi tripliquei de tamanho a minha startup”

Da Redação

Por Da Redação

24 de janeiro de 2017 às 17:04 - Atualizado há 4 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Investimento é uma palavra muito comum na boca dos empreendedores. Este é o instrumento com o maior potencial para acelerar a sua startup de vez e transformá-la em algo maior, se bem executado – afinal, dinheiro no caixa permite você dar um salto que só seria possível depois de bastante tempo acumulando capital.

A verdade é que nem sempre o empreendedor busca o investimento no momento correto – muitos não entendem bem o momento certo em que devem buscar um investidor. Mas quando ele busca e está pronto para usar o dinheiro da forma mais correta possível, o resultado pode ser muito bom. Um exemplo é a Petitebox, de Felipe Wasserman e Ivy Assis, que triplicou de tamanho depois de receber R$ 550 mil de diversos investidores.

O interessante é que eles não buscavam o dinheiro, mas a crise econômica os fez ver que seria importante buscar um investimento. “A ideia inicial nem era procurar investidores mas crescer sozinho organicamente, mas a crise de 2015 fez com que o cada real investido em marketing gerasse muito menos do que planejávamos e com isso decidimos procurar ajuda externa”, destaca Felipe Wasserman, CEO da empresa.

Eles conseguiram uma boa gama de investidores e levantaram um dinheiro que lhes daria fôlego para o ano de 2016 – terminando a captação no final de 2015. “Conseguimos captar R$ 550 mil e focamos em 3 áreas: estrutura, contratação e marketing”, conta.

Uma das primeiras coisas que eles fizeram foi mudar de escritório, para um lugar mais espaçoso – afinal, a Petitebox, como o nome deixa escapar, lida com uma grande quantidade de caixas. “Nos mudamos para uma casa maior e com isso conseguimos estruturar toda a área de operações”, explica.

Além disso, aumentaram a quantidade de pessoas trabalhando na empresa, que aliviaram a situação para ele e para Ivy, que puderam se concentrar em outras coisas. “Contratamos 3 pessoas, sendo uma para ajuda na montagem, uma para atendimento e uma para marketing. O que fez com que os sócios conseguissem focar mais na estratégia”, afirma o empreendedor.

Contudo, o grosso do dinheiro foi gasto para fazer o negócio crescer ainda mais, para conseguir novos clientes. “65% foi em Marketing, com isso conseguimos manter um crescimento de 2 dígitos por mês”, diz. E que belo resultado este investimento trouxe. “Com o investimento, consegui triplicar a startup de tamanho durante os 12 meses do aporte”, completa.

Novo produto

E com as melhorias na estrutura e mais tempo para os sócios trabalharem em estratégia, eles ainda melhoraram o produto antigo, criando um plano novo de assinatura que permitisse conseguir mais clientes. “Fora isso, ainda lançamos a versão recorrente e o plano anual que hoje respondem por 50% da nossa base”, salienta.

E, além disso, o dinheiro ainda permitiu que a Petitebox abrisse uma nova fonte de receita – um novo produto, diferente do clube de assinatura de produtos para bebês e crianças que eles montaram. “Logo no inicio já lançamos o Petitebook o nosso clube de livros que ajudou muito neste crescimento”, destaca.

O produto, que foi bem recebido no mercado de atuação deles, já era planejado antes do investimento – mas não tinha sido anunciado nem para os investidores, já que Felipe queria surpreende-los com resultados que estavam fora do previsto na hora de fechar o investimento. “Mais importante, não falamos para os investidores deste projeto, pois sempre queremos superar as expectativas”, conta.

Oportunidades de investimento?

Embora o investimento tenha sido recente, Felipe destaca que, se a oportunidade for boa, está aberto para novos investimentos. “Muita gente pergunta isso pois aparecemos no Shark Tank, estamos ouvindo muita gente e muitos interessados e como falado no programa o novo investimento seria para triplicar de nova a empresa, o foco de novo vai ser em Marketing”, destaca.

Com o interesse em triplicar de tamanho novamente, ele destaca que seria bom poder executar novos projetos. “Apesar de termos batido o zero-a-zero temos que crescer ainda mais e para isso precisamos ser mais conhecidos e temos alguns outros projetos na manga”, completa, destacando que se houver o interesse, ele está disponível para conversar no seu e-mail: felipe.wasserman@petitebox.com.br.

Conseguir investimento

Contudo, a Petitebox não é a única startup disponível para investimentos no mercado. A sua startup também pode conseguir – mas precisa entender para que momento isto é necessário e como obter um investimento. Para isso o StartSe promove o InvestClass, com o intuito de fazer empreendedores aprenderem como captar dinheiro para suas startups. Conheça o evento.

Ele dá um conselho para aqueles que querem conseguir um investimento: “rale o joelho!!! Nenhum investidor quer investir para garantia a boa vida de empreendedor! Eles querem ver se você é capaz de viver sem o investimento e se vai superar a expectativa deles se conseguir o dinheiro”

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]