CargoX quer fazer aquisições para ampliar atuação e crescer ainda mais

Avatar

Por Lucas Bicudo

23 de novembro de 2016 às 15:27 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

É natural que o mercado utilize o processo de fusões e aquisições para alcançar crescimentos mais acelerados. Muitas das companhias realizam diversos estudos antes da primeira oferta, pois essa movimentação necessita, além de recursos, de muito conhecimento para que seja assertiva.

Um exemplo de empresa que está neste momento de pesquisa é a CargoX – transportadora que opera conectada em tempo real a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos. O foco das análises serão pequenas e médias empresas do ramo de transporte. O investimento total deve alcançar R$ 15 milhões até o final de 2017.

“Acreditamos que esse modelo nos ajude a alcançar os números que projetamos. Nossa cultura deve ser mantida e nossos resultados ampliados, temos como foco aprimorar nossa presença no mercado”, declara Federico Vega, CEO da CargoX.

Para o executivo, esse modelo de crescimento também será favorável para o desenvolvimento dos atuais colaboradores, já que o crescimento horizontal da empresa no mercado permite a criação de novos setores e o surgimento de oportunidades.

“A aquisição não acrescenta somente no faturamento, ele dá robustez para a empresa e amplia as possibilidades internas, assim, é possível a valorização real de equipes e funcionários qualificados” detalha.

A empresa segue na contramão do mercado latino-americano. Uma recente pesquisa realizada pela consultoria e auditoria norte-americana Grant Thornton apresentou que o número de aquisições e fusões na América Latina tem como projeção queda de 16% para os próximos três anos. A atuação da empresa tem como base a inovação e romper com o modelo tradicionalmente realizado, tendo como elo a tecnologia e a conexão com a maior frota de caminhoneiros autônomos do país.

A companhia possui menos de 1 ano de atuação e após os primeiros 10 meses de vida já atingiu 90% de sua meta de faturamento anual – R$ 48 milhões. A evolução média por mês é de 57% e isso se reflete na estrutura da equipe que, atualmente, é composta por 120 funcionários, com projeções de superar 700 colaboradores até dezembro de 2017.

Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]