As pessoas estão ignorando o próximo produto de bilhões da Apple

Avatar

Por Lucas Bicudo

5 de abril de 2016 às 12:20 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Apple, uma das companhias mais valiosas do mundo, não tem papas na língua na hora de revelar quantos de seus produtos estão circulando em todo o mundo: mais de 1 bilhão. Quem traz as informações é o site Business Insider.

Esse número, entretanto, não reflete perfeitamente em quantos usuários a Apple tem, uma vez que usuários de iPhone provavelmente possuem um Mac ou um iPad também. Analistas do Credit Suisse reuniram alguns números de pesquisas e montaram um primeiro esquema em que seria coerente acreditar no número total de usuários da Apple ao redor do mundo.

Em uma nota divulgada hoje (04), foram estimados globalmente 588 milhões de usuários da companhia, indicando uma média de 1.7 produtos por pessoa. Essa pesquisa é importante à medida que a Apple começa a se adentrar em um mercado que possivelmente irá mudar sua história.

Atualmente, grande parte da receita gerada é proveniente da venda de premium hardwares, mas já há de se observar uma mudança de curso para a Apple se tornar uma companhia de serviços e softwares, como o Google ou a Microsoft. Unir a capacidade de produzir um aparelho próprio top de linha e serviços completamente integrados é certamente a carta na manga da companhia para manter seu título de uma das empresas mais valiosas do mundo.

Para mapear o alcance da a área de serviços, analistas precisam saber e entender sua base de usuários. O Credit Suisse investigou produtos como iTunes, App Store, Apple Music, iCloud e Apple Pay e concluiu que os serviços da Apple estão crescendo exponencialmente e gerando cada vez mais valor à marca.

De fato, a nota estima que esses serviços gerem uma receita de US$ 53 bilhões anuais em 2020, mais que o dobro do último ano (US$ 21 bilhões). Então o desafio da Apple será prover para sua base de usuários serviços que valham ser mencionados e adquiridos e que poderão ser completamente integrados com sua linha de aparelhos premium.