Aprende Brasil: Hong Kong está se esforçando para virar hub de fintechs

Da Redação

Por Da Redação

6 de setembro de 2016 às 12:28 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Hong Kong é um país riquíssimo. E quer mais…

O Banco Central do “país” (em teoria, é um território chinês com tanta autonomia que é quase-soberano) acaba de lançar um novo hub para se tornar a principal potência em termos de fintech na Ásia e abrir inovação.

O CEO do HKMA (Hong Kong Monetary Agency), Norman Chan anunciou os planos para criação deste hub onde novos produtos financeiros e serviços podem ser testados longe do sistema bancário já estabelecido (o país é um dos maiores polos do setor bancário no mundo, e local de origem do gigante HSBC).

O hub, aberto para grandes e pequenas companhias, também é um lugar para que os reguladores podem conhecer os produtos antes deles irem para o público. Algumas tecnologias a serem testadas: autenticação biométrica, reconhecimento facial, reconhecimento por voz, blockchain, robótica, realidade aumentada e big data.

Por estar dentro de um território do próprio HKMA, haverá uma espécie de trégua regulatória que permitirá as companhias testarem tudo sem aderir a algumas das regulações mais pesadas. A ideia desta trégua é “permitir que se junte mais informações e feedback nos produtos de fintech mais facilmente, para fazer ajustes finos antes do lançamento definitivo”, explica Chan.

Embora seja um grande centro financeiro mundial, Hong Kong não conseguiu se transformar em um local para startups de tecnologia, principalmente fintechs, que preferem Singapura para suas operações asiáticas (quando não são da China continental). O governo vem pesado para estimular isso agora através do que ele pode oferecer: liberdade de atuação.

[php snippet=5]
E por último, não esqueçam de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook!