A Alexa faz mais do que acender as luzes

Amazon aumenta incentivo a programadores para que criem novas habilidades para sua assistente de inteligência artificial

Avatar

Por Da Redação

22 de outubro de 2018 às 07:20 - Atualizado há 1 ano

A Alexa, a assistente de inteligência artificial da Amazon, pode executar mais de 50.000 habilidades, segundo a empresa . O problema é que a maioria das pessoas ainda a utiliza principalmente para acender as luzes, tocar música ou marcar o tempo de cozimento de bolos e tortas. De olho nos concorrentes, Apple e Google, a gigante do varejo on-line está acelerando os seus esforços para tornar a Alexa mais útil.

Para isso, vem oferecendo aos programadores e desenvolvedores externos incentivos financeiros para criar melhores aplicações para a Alexa. A Amazon promete recompensar os desenvolvedores com pagamentos baseados em downloads e uso. Os incentivos visam fazer com que empresas e pessoas desenvolvam habilidades de Alexa mais fortes que melhorem a qualidade de sua loja de aplicativos.

“Esta estratégia foi exatamente a mesma a Apple adotou para o desenvolvimento do iPhone”, disse Ahmed Bouzid, ex-chefe de produto da Alexa e atual executivo-chefe da Witlingo, em entrevista ao The Wall Street Journal. Bouzid cria ferramentas para aplicativos de voz nas plataformas Alexa e Google. “É desafiador e ao mesmo tempo muito motivador construir novas habilidades [para a Alexa]”, disse o executivo. Por trás do movimento da Amazon, há também o intuito de reposicionar a Alexia, com relação à sua estratégia de preço.

A Amazon vendeu cerca de 47 milhões de dispositivos na família Echo desde o seu lançamento no final de 2014, o que representa uma participação de aproximadamente 51% no mercado de alto-falantes inteligentes, de acordo com a Loup Ventures. Atualmente, os preços de dispositivos variam de US$ 40 para um Dot de tamanho de disco de hóquei a US $ 230 para sua versão mais recente. No mês passado, a Amazon revelou 15 dispositivos novos e atualizados na família, incluindo um amplificador e um forno de microondas com Alexa. Com isso, a empresa de Jeff Bezos espera comandar preços mais altos.

Alguns clientes da Echo, no entanto, afirmam, em diversas redes sociais, que sentem que não estão recebendo o valor que esperavam. As críticas quase sempre se dão pelo pouco uso do dispositivo. Parte da resposta da Amazon foi melhorar a capacidade da Alexa de realizar conversas semelhantes às humanas. Agora ela responde a uma série de comandos, todos no mesmo tópico, ou oferece um palpite, como o de que alguém pode querer desligar as luzes quando for dormir.

Rohit Prasad, cientista-chefe da Alexa, disse que a Amazon fez milhares de habilidades pesquisáveis. Quando um consumidor pergunta como tirar uma mancha de uma camisa, a Alexa avaliará qual tem a melhor resposta e usará aquela para responder – nesse caso, com uma ferramenta da Good Housekeeping que oferece remoção de manchas dicas e instruções. “Estamos chegando a um ponto em que os clientes estão dizendo: ‘Tenho certeza de que Alexa pode fazer muito mais coisas do que eu sei’”, disse Tom Taylor, vice-presidente sênior da Amazon Alexa. A questão, porém, ainda é: as pessoas vão utilizar estas habilidades ou manterão a Alexa apenas como um item bacana de decoração?