A hora e a vez das startups de Construção

Junior Borneli

Por Junior Borneli

19 de fevereiro de 2019 às 14:05 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A mercado da construção civil representa algo em torno de 10% do PIB global. Porém, é um dos setores que menos se desenvolveu tecnologicamente nos últimos anos.

E isso pode ser visto como um grande problema ou como uma oportunidade gigantesca. Segundo a Boston Consulting Group, a simples adoção de tecnologias já existentes fará o setor de Construção Civil economizar US$ 1,2 trilhão nas fases de projeto e US$ 500 bilhões na fase de operações, em custos anuais para projetos não residenciais.

Ou seja, há um oceano azul de oportunidades para empresas e empreendedores de ConstruTechs que se abrirem para novos modelos de negócio, baseados nas tecnologias já existentes e outras ainda em desenvolvimento.

Para se ter uma ideia, em 2018, foram investimentos mais de US$ 2 bilhões em startups ligadas a área da construção civil. São empresas que trabalham com drones, impressão 3D, realidade virtual e aumentada, big data, robótica e outras tecnologias.

A empresa de maior destaque hoje, no mundo, é a startup Katerra, avaliada em alguns bilhões de dólares, que trabalha com a produção em massa de “construções pré-fabricadas” e apenas monta as edificações no local da obra, utilizando no seu processo produtivo praticamente todas as tecnologias citadas acima.

A revolução no setor da construção civil também atinge os fornecedores de serviços. A Komatsu, uma das maiores fornecedoras de equipamentos para a construção, investe em empresas que desenvolvem caminhões e guindastes autônomos.

Por fim, o McKinsey Global Institute estima que o mundo precisará gastar US$ 57 trilhões em infraestrutura até 2030 para acompanhar o crescimento global do PIB.

As empresas que estiverem mais preparadas tecnologicamente serão as que mais participarão desse volume enorme de oportunidades que surgirão na próxima década.

E o melhor lugar para conhecer mais sobre essa “nova era” das ConstruTechs é no evento ConstruTech Conference, da StartSe, que vai reunir quase 2 mil pessoas para falar sobre estas oportunidades e mostrar o impacto das novas tecnologias no mercado.

Para se inscrever, acesse o site oficial do evento e garanta o quanto antes a sua vaga.