780 milhões de anúncios maus foram bloqueados no Google em 2015

Empresa promete novas maneiras de bloquear malwares e bots para 2016; número cresceu 50%

Avatar

Por Paula Zogbi

22 de janeiro de 2016 às 15:08 - Atualizado há 4 anos

O Google está cada vez mais seletivo a respeito dos anúncios que mostra em suas buscas. Em 2015, foram 780 milhões de propagandas “más” banidas, na tentativa de prevenir ataques e fraudes.

De acordo com o site The Guardian, o número é 50% maior do que o de 2014, e a gigante das buscas pretende aprimorar ainda mais seu sistema de rastreamento para este ano.

Os anúncios bloqueados consistem, basicamente, naqueles que contém malwares e bots – ou seja, usuários “falsos”, que na verdade são robôs – ou fraudes. Este tipo de propaganda traz riscos ao usuário, tanto de vírus quanto de roubos de dados ou de cair em armadilhas financeiras.

Esses anúncios são bloqueados antes mesmo de aparecerem nas buscas dos usuários, por meio de algoritmos que os identificam. De acordo com o vice-presidente sênior de anúncios e comércio do Google, Sridhar Ramaswamy, em 2016 a empresa planeja “mais restrições ao que pode ser anunciado como efetivo para a perda de peso, e adicionará novas proteções contra malware e bots”. Isso será feito com novas tecnologias e revisão manual de mais de mil funcionários.

Em números mais específicos, o executivo disse que o Google parou de mostrar anúncios em 25 mil aplicativos móveis; rejeitou mais de 1,4 milhão de aplicações de sites e desenvolvedores; não aceitou mais de 17 milhões de anúncios que enganavam as pessoas para que clicassem neles; suspendeu mais de 10 mil sites e 18 mil contas por tentar vender bens falsificados; bloqueou mais de 12,5 milhões de anúncios que quebravam regras sobre produtos de saúde; baniu mais de 30 mil sites por mentir sobre perda de peso; impediu quase 7 mil sites que promoviam phishing para roubar dados; desabilitou mais de 10 mil sites que ofereciam softwares indesejados.