Em alta: “Amazon destrói varejo”, assinatura da Uber e Apple compra chips da Intel

Veja as principais novidades da semana sobre startups, empreendedorismo, nova economia e tecnologia

0
shares

Confira o que aconteceu de mais interessante na semana sobre o ecossistema de startups, empreendedorismo, nova economia e inovação e comece a semana informado.

“A Amazon destruiu a indústria do varejo”, diz Secretário de Tesouro dos EUA

Nesta semana, Steven Mnuchin, Secretário de Tesouro do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, expressou suas preocupações quanto a Amazon. Ele apoiou uma revisão antitruste de grandes empresas de tecnologia – o que também inclui Amazon, Alphabet (holding do Google) e Facebook. Para Mnuchin, a Amazon “destruiu o varejo” porque possui uma competição limitada.

Apple compra divisão de chips da Intel por US$ 1 bi

A Apple adquiriu, por US$ 1 bilhão, a divisão da Intel de chips de modem para smartphones. Agora, a Apple possui 17 mil patentes de tecnologia sem fio e 2.200 novos profissionais, ex-funcionários da Intel. A Intel havia anunciado o interesse de vender a divisão em abril deste ano e a Apple aproveitou a chance de se desvincular da Qualcomm, sua atual fornecedora com quem trava uma batalha judicial há mais de dois anos.

Uber testa assinatura que integra carros, patinetes, bikes e delivery

A Uber está testando, em São Francisco e Chicago, nos Estados Unidos, um plano de assinatura que reúne todos os serviços que ela oferece. O custo inicial é de US$ 24,99 por mês. Essa é uma iniciativa para fidelizar os clientes através de benefícios, principalmente frente à concorrência. A Lyft oferece um serviço semelhante chamado de “All Access”.

Softbank cria fundo de US$ 108 bilhões – com Apple e Microsoft como investidores

O Softbank, um dos maiores grupos investidores do mundo, anunciou nesta sexta-feira (26) a criação do Vision Fund 2. O Vision Fund é o maior fundo de capital de risco que a empresa possuía – até agora. O novo empreendimento busca investir em startups e soluções de inteligência artificial e conta com investidores de peso, como Apple e Microsoft. Isso traz uma mudança e tanto, já que os investidos pela Softbank também terão grandes empresas de tecnologia por trás.

Toyota investe na DiDi Chuxing, startup de mobilidade dona da 99

A Toyota investiu US$ 600 milhões na DiDi Chuxing, startup de mobilidade chinesa. A DiDi foi quem adquiriu e tornou a 99 o primeiro unicórnio brasileiro. A parceria entre a DiDi e a Toyota visa a criação de novas soluções e tecnologias de transporte e a construção de um ecossistema de mobilidade mais inclusivo e sustentável.

Grow fará patinetes e bicicletas em Manaus

A Grow, fusão da Grin e Yellow, investirá R$ 25 milhões em uma fábrica de patinetes e bicicletas em Manaus. A empresa está substituindo a importação de equipamentos da China pela fabricação no Brasil. O objetivo é reduzir entre 30 a 40% dos custos.

ThinkSeg lançará seguro que conta com inteligência artificial

A ThinkSeg se prepara para lançar o produto que foi criada para oferecer. Em agosto, a insurtech lançará o “PayPerUse”, seguro em que o usuário pagará uma assinatura mensal de acordo com o seu desempenho no volante e o quanto dirige. A seguradora utilizará inteligência artificial para calcular a performance dos usuários.

Fintech suíça Aximetria chega ao Brasil

A Aximetria, fintech suíça, chega ao Brasil para aumentar sua base de clientes. Os brasileiros já utilizavam suas soluções antes mesmo de a startup estar disponível em português. Em entrevista à StartSe, a empresa afirmou que os usuários locais utilizam o aplicativo para poupar dinheiro e fazer transferências no exterior, além de investir em criptomoedas.

Microsoft investe US$ 1 bilhão na OpenAI

A Microsoft investiu US$ 1 bilhão na OpenAI, instituição de pesquisa em inteligência artificial. A organização foi fundada por grandes nomes como Sam Altman, ex-presidente da Y Combinator, e Elon Musk. Juntas, as empresas esperam criar soluções de “artificial general intelligence” (AGI) para áreas como saúde, mudanças climáticas e educação.

A tecnologia por trás do WeChat, app com mais de 1 bilhão de usuários

O WeChat é um dos aplicativos mais populares do mundo, ficando atrás apenas do concorrente WhatsApp. Porém, além de um aplicativo de mensagens, a ferramenta oferece diversos serviços – inclusive, foi responsável por transformar os pagamentos na China. Confira como funciona a tecnologia do WeChat.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Tags

em-alta

Comentários