Saiba o que atrai investidores segundo sócio da Redpoint eventures

Acompanhe na entrevista com Manoel Lemos, da Redpoint eventures, sobre o processo desde a seleção até o investimento em startups

0
shares

Atrair a atenção de uma empresa de venture capital com startups de sucesso em seu portfólio, seguindo os passos de Creditas, Nibo e Resultados Digitais, é um dos grandes objetivos de empreendedores em tecnologia no Brasil. Tanto que a Redpoint eventures, com fundo de US$ 130 milhões, recebeu mais de mil pedidos que foram analisados só em 2016. O sócio da Redpoint e eventures, Manoel Lemos, conta na entrevista abaixo quais os pontos que startups precisam ter para atrair a atenção da empresa.  

 

Como é o processo de seleção das startups que recebem investimento?

Manoel Lemos: É um processo bem criterioso e que demanda tempo. A Redpoint eventures recebe todos os meses dezenas de apresentações de empresas dos mais variados segmentos buscando receber um aporte financeiro, em 2016 foram mais de mil empresas analisadas.

É preciso que sejam empresas de tecnologia e internet que estejam resolvendo grandes problemas em grandes mercados. Além disso,

Manoel Lemos, sócio da Redpoint eventures

buscamos empresas que já tenham um negócio já testado com boa tração de usuários e clientes.

Nosso time analisa cada um dos casos e verifica quais estão enquadrados naquilo que entendemos como um modelo de negócio sólido e com alto potencial de crescimento (os chamados ‘pontos fora da curva’.)

O investimento série A (normalmente estão entre US$ 1 milhão e US$ 4 milhões), o mais comum entre os que fazemos, tem em vista validar esse modelo de negócios e expandi-lo.

Frequentemente, percebemos que ainda não é o momento de investir em algumas empresas, mas vemos que ali existe uma futura oportunidade de negócio. Acompanhamos o caso mais de perto dali em diante, visando voltar analisar e potencialmente investir em um horizonte próximo. Em média, o tempo entre o primeiro contato e o investimento está é de aproximadamente 3 e 6 meses.

O que procuram em uma startup?

ML: A empresa precisa ter potencial para resolver grandes problemas do mercado brasileiro e ter uma solução que gere valor real para seus usuários ou clientes.

Enxergamos no Brasil grandes gargalos que podem ser resolvidos através de inovação e tecnologia, e é justamente esse tipo de empresa que procuramos.

Analisamos empresas de todos os setores, porém, focamos em 5 principais de forma proativa, são eles: Fintech, Healthtech, Varejo, Edtech e soluções para PMEs.

Uma de nossas principais preocupações é encontrar empreendedores altamente qualificados e que estejam engajados a montar um time diferenciado para escalar sua empresa.

 

Existem diferentes exigências para fintech?

ML: Falando especificamente do mercado de fintechs, a falta de serviços bancários (40% da população ainda continua excluída do sistema bancário, de acordo com a pesquisa do Itaú Unibanco), alta taxa de juros e a elevada penetração de smartphones no Brasil são alguns dos motivos que nos levam a acreditar no potencial desse mercado.

Os critérios específicos dentro do mercado de fintechs podem variar de acordo com o modelo de negócio. De forma geral, ter um unit economics (equilíbrio entre as receitas diretas e os custos associados a cada cliente ou usuário) saudável e alta retenção de usuários ouclientes são métricas que analisamos em todo investimento em fintechs, por exemplo. Além disto, no caso de fintechs é fundamental o time fundador ter profundo conhecimento do espaço onde está atuando.

Um bom caso em nosso portfólio é a Creditas, cujo foco de atuação é, justamente, a oferta de empréstimos com taxas de juros reduzidas graças a seu modelo de financiamento híbrido que permite empréstimos seguros, garantidos por casas ou carros.

 

Após o investimento, como é feito o acompanhamento das empresas?

ML: Uma vez que optamos investir em uma empresa, entendemos que esse investimento não é apenas financeiro. Buscamos estar sempre próximos e usar a experiência de todos os sócios e equipe para ajudar as empresas em seus principais desafios de crescimento.

A frequência de interação depende do estágio e momento de cada empresa. Em alguns casos, nos reunimos semanalmente para discutir a principal “dor” de crescimento daquele empreendedor, em outros casos, participamos das reuniões de conselhos que acontecem mensalmente e de outras discussões mais estratégicas que aconteçam on demand.

 

Saiba como fazer parte desse ecossistema

Para fazer parte do ecossistema global de fintechs, você pode cadastrar sua startup na MEDICI e na StartSe Base.

A MEDICI é uma base de dados que conta hoje com 7.000 empresas de todo o mundo. Ela pertence à Let’s Talk Payments (LTP), empresa global de conteúdo e pesquisas sobre fintechs.

A StartSe Base é a maior base de dados de startups do Brasil, com mais de 5.000 empresas cadastradas.

Sobre a Let’s Talk Payments (LTP)

LTP é a principal plataforma de conteúdo e pesquisas sobre fintechs no mundo. Mais de 400 instituições financeiras e 90 programas de inovação recorrem à LTP para obter informações sobre as empresas que estão disruptindo o setor financeiro.

Mariana Rodrigues é colaboradora regular da LTP, focada no mercado de fintechs do Brasil. Ela é COO da SGC Conteúdo. Para acompanhar o conteúdo produzido pela LTP no Brasil e no mundo, cadastre-se na newsletter.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Tags

Comentários