5 dicas jurídicas para você não perder um investidor

Avatar

Por Paula Tonani

3 de setembro de 2015 às 11:09 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 16 a 19/Nov, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Paula Tonani, Doutora em Direito Econômico pela PUC/SPfundadora do Tonani Advogados e especialista na estruturação de novos negócios, já auxiliou diversas startups durante o processo de obtenção de aportes de investidores. Ela listou cinco dicas jurídicas para você não perder um investidor:

Faça previsões contratuais de expansão

A empresa precisa nascer pequena e com baixo custo. No entanto, devem estar contidas previsões contratuais de expansão, evitando engessamento.

Saiba as diferenças entre os modelos societários

Estude os diversos modelos societários previstos em lei dentre eles: sociedade simples, sociedade em nome coletivo, sociedade em comandita simples, sociedade anônima, sociedade limitada, sociedade em conta de participação.

Estude também sobre regime tributário

Sempre existe a possibilidade de adequar a empresa para receber investimento. O regime tributário está também relacionado com o modelo societário escolhido.

Foque na liquidez

Quanto mais redonda uma startup nasce, menor é o custo com essas alterações contratuais ou ainda com a manutenção de um modelo societário inadequado e mais robusto; e, portanto, maior será a liquidez da empresa.

Sempre escolha muito bem os seus sócios

O rompimento entre sócios é muito mais tumultuado do que a demissão de um colaborador, especialmente quando há litígio. O procedimento para liquidação de uma sociedade – observadas as devidas proporções -, é muito semelhante à dissolução de um casamento na forma litigiosa. O processo é lento, demorado e afasta investidores. Afinal, quem investiria em uma empresa com litígio judicial envolvendo saída de sócios?