Cada R$ 1 investido em startups resulta em R$ 5,84 para economia

Avatar

Por Elena Costa

28 de novembro de 2017 às 17:44 - Atualizado há 3 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Pesquisa realizada pela Anjos do Brasil em parceria com a Grant Thornton mostra que estimular investimento em startups no Brasil resultará em mais impostos e aumento de renda para todos. Eles demonstraram que a cada R$ 1 investido resulta em um retorno de R$ 5,84 na economia em 5 anos.

O estudo revela a importância do investimento em startups em época de crise e que para que isso ocorra é necessário que haja estímulos aos investidores, principalmente no cenário atual de desemprego elevado e perda de confiança. Além disso, eles também mostraram que esse tipo de investimento deixa a economia mais forte.

Segundo Cassio Spina, presidente da Anjos, afirma que “os estímulos propostos não são renúncia fiscal. Eles geram aumento de arrecadação e, ao mesmo tempo, startups passam a ter mais acesso a recursos”, desta forma a pesquisa simula isenção total do imposto sobre ganho de capital e uma compensação de até 50% do valor de investimento nos impostos devidos pelo investidor.

Na simulação a cada R$ 1 investido em uma startup, R$ 5,84 são injetados no mercado local em um prazo de cinco anos. No mesmo período, pode ser gerada uma massa salarial de mais de 2,8 vezes o valor dos investimentos. Para concluírem eles utilizaram o mesmo modelo usado no Reino Unido.

Paulo Funchal, líder de transações da Grant Thornton, explica o motivo de terem optado por um modelo conservador: “fizemos uma modelagem bastante conservadora, para termos confiança nos números levantados. Como o investimento anjo é de alto risco, para que o Brasil avance nessa área são necessários os estímulos”.

Funchal ressalta que os “estímulos para investidores são fundamentais para o desenvolvimento do empreendedorismo inovador brasileiro e também, no mínimo, uma equiparação para outros setores como investimentos imobiliários, agrícolas e empresas listadas na bolsa de valores com faturamento menor de R$ 500 milhões, que possuem isenção fiscal, lembrando ainda que o investimento em startups possui um risco maior, assim, nada mais justo que tenham também mais estímulos”.

Em relação a esse tema, há uma PLP 341/2017 que visa justamente mecanismos para estimular os investidores que é relato pelo deputado Otávio Leite, parlamentar que tem atuado pelo ecossistema do empreendedorismo no país. Ele afirma que quanto mais capital investindo no empreendedorismo inovador, mais chances de entramos de fato na economia do século XXI.

A pesquisa também destaca que durante o período de simulação foi observado que sem estímulos o retorno de investimentos para os investidores é de 14,17% ao ano, algo considerado um risco alto, mas que se caso houvesse estímulos o retorno sobe para 29,05%.

Quer se tornar investidor-anjo e não sabe como? A StartSe te ajuda! O Angel Class vai abordar todo o processo para ser um investidor anjo. Faça a sua inscrição e saiba mais.