Uber vai ficar longe da bolsa, mesmo sofrendo pressão por Mark Zuckerberg

Da Redação

Por Da Redação

21 de outubro de 2015 às 14:53 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Uber é a startup mais valiosa do mundo atualmente, com um valor de mercado de US$ 50 bilhões. Mesmo sendo uma grande unicórnio e considerada madura por muita gente, ela está longe de ir para a bolsa de valores – considerada o “endgame” para startups, onde a maioria dos investidores recebe seus retornos e seus fundadores ficam ricos de verdade. 

É o que disse Travis Kalanick na WSJDLive, uma conferência do Wall Street Journal. “Estamos amadurecendo como companhia, mas ainda estamos na oitava série. Ainda estamos no colegial, alguém está nos falando que precisamos ir para faculdade. Mas está cedo, nos dê alguns anos, algum tempo”, afirmou o CEO e fundador da empresa. 

Há quem diga que o pior que uma empresa possa fazer é ficar privada por muito tempo, e uma das pessoas que estão pressionando o Uber a abrir o capital é Mark Zuckerberg, fundador do Facebook. “Demorou muito para eles irem para a bolsa, mas desde que abriram o capital, Zuckerberg se tornou um dos grandes propagandistas disto”, afirma. 

O Uber não está com problemas de captar dinheiro fora da bolsa, tanto que acaba de captar US$ 5 bilhões. E sem a pressão de ir para a bolsa para levantar capital para continuar expandindo suas operações, ele decidiu que demorará para fazê-lo – muito embora ir para a bolsa esteja nos planos da empresa para o longo prazo.

Mas o objetivo talvez seja diferente: Kalanick destacou que alguns de seus funcionários demandarão a oportunidade de vender suas ações para se remunerarem – ou irão atrás dele com “forcados e tochas”. Então, um “evento de liquidez” realmente deverá acontecer.