Não aceite dinheiro de qualquer um: 4 dicas para escolher um investidor

Avatar

Por Paula Zogbi

29 de março de 2016 às 15:45 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Ter boas ideias não é o suficiente para ser um empreendedor de sucesso. Para entrar no ecossistema das startups, é preciso conseguir apoio, principalmente financeiro, além de saber colocar suas ambições em prática.

Nesse sentido, o primeiro passo para transformar as ambições em realidade é a busca por investidores.

Allan Costa, ex-diretor superintendente do Sebrae/PR, e atualmente um dos principais palestrantes e investidores-anjo do País, alerta, no entanto, que o processo de captação não pode ser uma via de mão única, no qual somente os investidores avaliam os empreendedores: às vezes, um investidor amador ou até mesmo mal intencionado pode ser extremamente prejudicial ao seu negócio.

Veja também: hangout exclusivo com Tallis Gomes, fundador do Easy Taxi, sobre como captar investimentos para seu negócio

O especialista acredita que existem 4 pontos essenciais a que os empreendedores devem se atentar na escolha de seus investidores. Confira:

1. Verifique o histórico de investimento

“Antes mesmo de realizar o pitch, faça uma pesquisa do perfil dos investidores, coletando portfólio, conjunto de competências que pode aportar ao negócio, casos de sucesso, entre outros pontos”, explica Allan. Isso ajuda a garantir a competência e a idoneidade do grupo de investidores, para não cair em ciladas.

2. Recuse propostas indecorosas

Não tenha medo de recusar dinheiro: investimento não é caridade. “Propostas que pedem 40%, 50%, até 60% da startup em troca de um investimento muito menor do que seria o razoável jamais podem ser levadas à sério”, avalia o especialista.

3. Pesquise o background

Além do histórico de investimento, é importante levar em consideração o que o investidor pode trazer ao seu empreendimento em termos de recursos intangíveis, como conhecimento do mercado de atuação, mentoria, rede de relacionamentos para facilitar contatos, a abertura de portas, entre outros. “Contar com um investidor que não está familiarizado com a dinâmica do mercado de startups e apenas conhece investimentos mais “tradicionais”, ao invés de ajudar, pode representar um transtorno”, diz.

4. Estabeleça a interface

O contato entre investidor e startup é um ponto essencial de qualquer negociação. “A recomendação é fugir de grupos de investidores que não determinam claramente como será a interface do grupo com a startup e quem será responsável pelos contatos e acompanhamento”, explica Allan. Isso é importante para que o empreendedor não seja cobrado por todos os lados e tenha espaço para trabalhar na sua ideia.