Investir em startups requer conhecimento, mas pode ser como ganhar na loteria

Da Redação

Por Da Redação

23 de Maio de 2016 às 14:19 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Você sabe pintar paredes? Bom, se não sabe, está perdendo uma grande oportunidade. É uma história muito conhecida no mundo das startups, de que quando o Facebook abriu seu primeiro escritório, o pintor acabou recebendo o pagamento em ações da empresa – ao invés de dinheiro vivo.

Alguns anos depois, o pintor daquele parede apareceu em várias matérias, que explicavam como receber em ações o fez ter cerca de US$ 200 milhões. As mesmas ações valeriam hoje mais de US$ 500 milhões. É uma história impressionante, com um salto financeiro absurdo, equivalente mesmo a ganhar na loteria.

O Facebook foi a maior startup da história, chegando a valer US$ 100 bilhões um pouco antes de deixar de ser considerada uma startup. O Uber hoje vale US$ 65 bilhões, mas diversas valem mais de US$ 1 bilhão. São as chamadas “unicórnios”.

“Pintar-paredes-por-participação” é algo raro que talvez só aquele pintor tenha tirado a sorte grande. Mas investir em startups virou uma coisa extremamente lucrativa atualmente. Se você souber o que você está fazendo.

O problema é: a maior parte das pessoas não sabe. Investe em ideias (erro número 1) que não se sustentam de jeito algum (erro número 2) e esperam ver um retorno tradicional (erro número 3). Startup é tudo, menos tradicional. Menos comum. Sem a segurança (e o tédio) da renda fixa. E ainda mais arriscado e emocionante que ações de empresas estabelecidas.

Venhamos e convenhamos, bolsa no Brasil está há anos andando de lado. Eu comecei a acompanhar em 2010 e a bolsa estava quase em 80 mil pontos. Hoje, está nos 50 mil e capengando. Cenário político é bravo, a economia não cresce e bolsa virou coisa para especialista que sabe escolher as ações muito bem.

Startups, neste meio tempo, surgiram e começaram a se tornar opções viáveis de investimento.  E elas crescem mesmo em cenários adversos pois: 1) não existiam antes, do 0 ao 10 é mais fácil e lucrativo do que do 1000 ao 1100. 2) são negócios baseados em inovação. E estamos em uma época que é favorável a esse tipo de investimento.

Mas é coisa para quem entende. Na bolsa, ainda existe o cara que compra ações de Bradesco, Itaú e se dá bem pela solidez dessas empresas. Em renda fixa, com nossos juros, não precisa se esforçar para ter um retorno atraente.

Já startup é o investimento que pode mudar sua vida (para melhor). Mas também pode ser que você perca tudo, se não souber exatamente o que está fazendo. Saber onde pisa é essencial para que você consiga um retorno muito atraente. No Brasil, existem diversas formas de investir em startup e alguns requerem pouquíssimo dinheiro (R$ 1 mil!). Equity crowdfundings, por exemplo.

Temos, no StartSe, uma missão de impulsionar o mercado de startups no Brasil. Para nós, investimento em startup é uma coisa séria, que precisa ser feita de maneira profissional. É por isso que começamos uma série de conteúdos para iniciar vocês, leitores, no mundo do investimento em investimento em startups.  Vamos levar conhecimento direto dos melhores investidores em startups do Brasil diretamente para você.

Esperamos que essa série seja o início de uma relação muito saudável e que fortaleça cada vez mais o mercado no Brasil – gerando benefícios de ambos os lados: você aprende a escolher as melhores startups, a avaliá-las da maneira correta e elas ganham acesso a um funding interessante que vão ajudá-las a crescer cada vez mais! Só benefício! Com isso, o Brasil fica mais forte e você fica mais rico! Obrigado.