Investimento-anjo 101: quem são os investidores-anjos? O que fazem?

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de dezembro de 2017 às 12:30 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Nesta quinta-feira, 14, a StartSe está realizando o seu primeiro curso de formação em investimento-anjo: o Angel Class. O curso é ministrado por um dos maiores anjos do Brasil, Fábio Póvoa, e aborda todos os conhecimentos práticos que um especialista da área deve possuir.

Mas quem são os anjos? “Antigamente, investidores-anjo eram os senhores de alta renda que investiam em produções artísticas. Hoje, são pessoas que investem suas reservas pessoais em startups”, comenta Póvoa.

Normalmente, os investidores-anjos são executivos de grandes corporações, atuais e ex-empreendedores e pessoas da indústria experts em algum nicho do mercado. Esses investidores trazem capital para startups – normalmente em seus estágios iniciais, quando estão tracionando – em troca de equity (participação na empresa).

Os investidores-anjo são, necessariamente, pessoas físicas e normalmente possuem outras ocupações na carreira, utilizando o capital de risco como outra forma de rendimento.

“O anjo é um investidor, não uma empresa, e por isso precisa de uma marca pessoal”, afirma o investidor-anjo. Para Póvoa, maneiras de formar uma marca pessoal é tendo um perfil no LinkedIn com toda a sua trajetória profissional, um blog próprio e mídias sociais. “É necessário um branding para que os melhores empreendedores queiram levantar capital com você”, comenta.

A relação entre startups e investidores-anjo é de ganha-ganha, mas os investidores-anjo não se tornam funcionários das startups, sendo pessoas livres para investirem no que desejarem. Sua responsabilidade está em investir o capital, o que está frequentemente associado ao “Smart Money” – o capital acompanha uma mentoria da expertise do investidor-anjo. As competências podem ser no desenvolvimento de produtos, vendas, jurídico e contratos, além da experiência empreendedora, por exemplo.

Existem dois tipos de investidores-anjo: o investidor-anjo ativo e passivo. Os anjos ativos são poucos no Brasil – Póvoa é um deles -, e são os investidores que possuem interação intensa ou se dedicam integralmente ao investimento em startups. Frequentemente, esses investidores-anjo são os líderes nas rodadas em investimentos devido as suas experiências.

Já os investidores-anjo passivos são os investidores que não possuem tempo, disposição ou conhecimento para desenvolver um envolvimento ativo.

Por quê ser um investidor anjo?

O investimento-anjo é um investimento em capital de risco, com alto retorno. Para os investidores, é a oportunidade de ter a participação em um rendimento que ajudou a crescer. É por isso que é comum que cada investidor-anjo possua uma tese de preferências em investimento, pois possuem seus próprios interesses.

A tese normalmente inclui a geografia, modelo de negócios e estágios de startups preferidas para o investimento (entre outras concepções). Os alunos que participaram do curso receberão exercícios para construírem a própria tese.

Para saber mais sobre outros tipos de investimento, baixe o nosso Manual Básico para Captação de Investimentos.