Com apoio de Bill Gates, grupo destina US$ 390 milhões para vacina contra ebola

Avatar

Por Diego Lazzaris Borges

12 de dezembro de 2014 às 17:10 - Atualizado há 6 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A GAVI Alliance, a maior provedora de dinheiro para vacinas enviadas a países em desenvolvimento, vai destinar até US$ 390 milhões para a compra de vacinas contra o ebola e incentivar seu uso na tentativa de deter a epidemia mortal na África Ocidental.

A organização com sede em Genebra, financiada por governos e pela Fundação Bill Melinda Gates, vai pagar até US$ 300 milhões por 12 milhões de doses da vacina contra o ebola, disse em um comunicado divulgado hoje. A GAVI também oferecerá até US$ 45 milhões para lançar vacinas que tenham a aprovação da Organização Mundial de Saúde e outros US$ 45 milhões para ajudar os países atingidos pelo ebola a reconstruir seus sistemas de saúde e seus serviços de imunização.

Fabricantes de remédios, como GlaxoSmithKline Plc, Merck Co., New Link Genetics Corp. e Johnson Johnson, estão trabalhando com reguladores e grupos sem fins lucrativos para desenvolver uma vacina viável para a doença que contagiou quase 18.000 pessoas e matou mais de 6.000, principalmente em Serra Leoa, Libéria e Guiné.

“Estamos fazendo grandes esforços para garantir que as pessoas que moram nos países atingidos pelo ebola sejam protegidas o quanto antes e que não tenham que enfrentar outra epidemia terrível no futuro”, disse Dagfinn Høybråten, presidente do conselho da GAVI, no comunicado.

O financiamento oferecido pela GAVI também poderá ser usado para criar estoques de vacinas de primeira e de segunda geração, gerenciados pela OMS, que estarão rapidamente disponíveis para os países em caso de eventuais surtos.

Geralmente pode demorar até uma década para que uma vacina saia das bancadas dos laboratórios e chegue às clínicas onde é injetada nos pacientes. A Glaxo e a NewLink já começaram a realizar testes de segurança em humanos e programas de imunização direcionados poderiam começar no segundo semestre do ano que vem – uma velocidade sem precedentes para uma pesquisa desse tipo.

Desde 2000 a GAVI contribuiu para a imunização de 440 milhões de crianças e para a prevenção de um número estimado de 6 milhões de mortes, de acordo com a organização.