CEO da Sequoia afirma que não encontra mulheres que “atinjam os padrões”

Avatar

Por Júlia Miozzo

4 de dezembro de 2015 às 15:12 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

No mundo de investimentos de alto risco, existem poucas mulheres “de qualidade”, por isso são poucas. Essa é a opinião de Michael Moritz, CEO da Sequoia Capital, um dos maiores fundos de venture capital do Vale do Silício, responsável por ter investido em empresas como Google, Instagram, Airbnb e Dropbox.

É uma das poucas VCs, também, que não tem nenhuma mulher sócia investidora nos Estados Unidos. “Eu gosto de pensar, e genuinamente acredito, que somos cegos com relação ao sexo de alguém, sua religião, seu passado”, disse em entrevista à Bloomberg, após contar que procura muito por mulheres, mas que não está preparado para diminuir os padrões da empresa para que mais mulheres entrem para o fundo.

Ainda segundo Moritz, o problema é que não se encontram muitas mulheres “ambiciosas, que trabalham duro e têm experiências passadas com tecnologia”, características que a empresa procura.

“Se existem mulheres fabulosamente brilhantes que realmente se interessam por tecnologia, com muita sede de serem bem sucedidas e que se encaixam em nossos padrões de performance, nós vamos contrata-las todo o dia e noite”, disse.

Embora nos fundos de VC não seja comum a participação de mulheres – um estudo recente sugere que 92% dos investidores sênior dos fundos mais reconhecidos são homens –, no mundo do empreendedorismo elas são maioria: no ano passado, dados do Sebrae mostraram que 52% dos novos empreendedores brasileiros eram mulheres, e que apenas na região Nordeste elas não eram maioria.

Você concorda com a opinião do CEO?