Zuckerberg publica metas de ano novo – sigilo de dados não está entre elas

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

9 de janeiro de 2019 às 19:33 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Mark Zuckerberg postou suas resoluções de ano novo no Facebook nesta terça-feira (8). O fundador da rede social cumpre essa tradição há alguns anos, divulgando suas metas para o novo ano e informando se cumpriu as que havia traçado no anterior.

O que realmente chamou atenção na publicação não foi nenhum dos seis parágrafos escritos por Zuckerberg, mas o comentário mais curtido.

O usuário Gus Frinjs – um perfil muito provavelmente fake – comentou: “Nós apenas precisamos que vocês parem de vender nossos dados com seus amigos… Isso é tudo”. Esse teria sido apenas mais um comentário entre muitos, se não tivesse recebido cerca de 1.300 curtidas (até a publicação dessa matéria).

O fundador do Facebook não comentou explicitamente sobre as polêmicas em que foi envolvido neste ano. Mas uma grande parcela das críticas endereçadas à rede social, girou em torno do vazamento ou comercialização de dados privados dos usuários.

Um 2018 difícil

O escândalo da rede social com a Cambridge Analytica, por exemplo, estourou em março do ano passado.

Na época, foi denunciado que dados identificáveis de mais de 87 milhões de usuários foram recolhidos pela Cambridge Analytica através do Facebook. Os dados foram utilizados para influenciar opiniões de eleitores pela rede social, baseado em suas próprias preferências.

Zuckerberg compareceu a algumas audiências no Congresso americano para prestar esclarecimentos aos congressistas. Enquanto isso, o presidente-executivo da Cambridge Analytica foi afastado.

Mas não acabou por aí: a rede social foi hackeada neste ano e 50 milhões de usuários também foram afetados.

Além disso, fotos de mais de 6 milhões de usuários foram expostas em dezembro. Como resultado, a rede social criou uma ferramenta para identificar as pessoas afetadas.

Essas são apenas algumas das polêmicas em que a rede social foi envolvida em 2018. Os resultados foram sentidos no bolso do próprio fundador do Facebook. Mark Zuckerberg perdeu cerca de US$ 19 bilhões no ano passado.

Boas intenções

No entanto, o fundador do Facebook deseja se recuperar. Ele quer discutir as maneiras que a internet e a tecnologia estão afetando e transformando a vida das pessoas.

“Meu desafio para 2019 é hospedar uma série de discussões públicas sobre o futuro da tecnologia em sociedade – as oportunidades, desafios, a esperança e as ansiedades”, escreveu Zuckerberg na publicação.

“Como construir uma tecnologia que cria mais empregos do que apenas criar inteligência artificial que automatiza coisas que as pessoas fazem?” é um dos questionamentos que o fundador do Facebook deseja discutir.

Para tal, ele deseja reunir líderes e estudiosos de diferentes áreas do conhecimento para o debate. As plataformas de divulgação provavelmente serão o Facebook e Instagram.