Uma empresa sem chefe pensou uma forma de definir aumentos (baseada em Pokémon)

Da Redação

Por Da Redação

28 de julho de 2015 às 09:11 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – Se você tem entre 20 a 28 anos de idade, é muito capaz que na sua infância tenha tido contato com um jogo de Game Boy “Pokémon” – que virou febre no mundo inteiro por conta do desenho. Agora, é a vez deste jogo influenciar a Zappos, uma empresa de varejo online que não tem chefes.

Seu dono, Tony Hsieh, é absolutamente não-convencional. Ele tem uma fortuna de US$ 840 milhões mas mora em um trailer (clique aqui para ler esta história) e resolveu abolir as lideranças na Zappos este ano. Ele deixou as pessoas não confortáveis com essa mudança saírem da empresa em troca de um “bônus” de despedida. 14% de todos os empregados aceitaram e deixaram a empresa. 

Desde então, decidir como as pessoas devem receber aumentos se tornou algo complicado – já que não há chefes para julgar o trabalho uns dos outros e qualquer discussão em grupo acaba virando o “por que não eu?”. Demissões são um pouco mais “tranquilas”, já que geralmente nascem de um consenso de pessoas ao redor do demitido. 

Segundo o Business Insider, a empresa está testando um modelo de compensação baseado em “insígnias”. Cada funcionário recebe insígnias que representam seu papel na empresa e isso acaba determinando o salário de cada um. Cada funcionário realiza novos feitos e acaba ganhando mais insígnias nesta “aventura” – aumentando seu salário.

Além disso, as pessoas possuem liberdade de buscar novos caminhos dentro da empresa e com novas responsabilidades, recebem novos salários. Um exemplo: quando a empresa contrata alguém para o telemarketing, o salário dessa pessoa será equivalente ao do telemarketing de outras empresas, mas se ele decidir mudar de setor, receberá uma nova insígnia, uma nova atribuição e novo salário. 

Todas as diferentes insígnias estão disponíveis para todos os funcionários, assim como o que é necessário para ganhá-las. Uma delas, a Teal 101, é ganha se você ler o livro “Reinventando Organizações” – que inspirou a “holacracia” de Tsieh – e fizer uma resenha de até três parágrafos explicando o livro. 

Algumas insígnias só são disponibilizadas se o funcionário já tiver outras. No momento, o sistema está em testes, todos estão interessados (esperando o sistema), mas ainda há outras opções no radar.