Por que o CEO da Disney adora trabalhar com startups?

Líder de uma das empresas mais criativas do mundo, CEO da Disney busca inspiração nas startups

Avatar

Por Júnior Borneli

29 de Maio de 2015 às 10:51 - Atualizado há 5 anos

A Walt Disney Company é uma empresa com o olhar no futuro. Em 1937 lançou o primeiro longa-metragem animado: Branca de Neve e os Sete Anões. Em 1995, junto com a Pixar, lançou Toy Story, o primeiro filme de animação totalmente feito em computador.

Agora a Disney está procurando a sua próxima grande inovação. E é com esse objetivo que a empresa está se preparando para a segunda reunião anual do programa Disney Accelerator, uma aceleradora que conecta empreendedores ao capital financeiro da Disney, à propriedade intelectual da Disney e talvez ao melhor de tudo, o acesso à equipe de executivos da Disney como mentores, incluindo o CEO da empresa Bob Iger.

Para os empreendedores, é uma oportunidade de colaborar com a Disney em projetos de super-heróis da Marvel, projetos para a ESPN, Star Wars, rede ABC e parques temáticos. E o melhor de tudo: é uma chance incrível para aprender sobre como um cliente deve ser bem tratado, algo em que Disney é impecável e referência em todo o mundo.

No programa, que começará em 06 de julho, 10 startups são convidados a trabalhar em Glendale, o campus da Disney no sul da Califórnia por 13 semanas e recebem US$ 120.000 em financiamento.

A gestão administrativa e logística da Disney Accelerator é feita pela TechStars, uma empresa especializada do Colorado,  que tem coordenador programas desse tipo para a Nike e Barclays. A parte da Disney no programa é fornecer a sua própria experiência em mídia, entretenimento interativo, e todas essas outras coisas que a Disney faz muito bem.

As startups são uma importante fonte para novas ideias que possam não ter surgido dentro do já tão criativo ambiente de trabalho da Disney. A Disney Accelerator procura empreendedores com uma “Mentalidade Disney” e vontade de experimentar várias coisas até encontrar aquela que é a certa.

Os executivos da Disney, incluindo o CEO, adoram conhecer essas startups porque eles acham que é uma forma de energizar a companhia, uma vez que passam a lidar com pessoas com um espírito mais empreendedor, trabalhando em novas ideias radicais e “oportunidades que não eram óbvias na Disney”, diz Michael Abrams, Diretor de Inovação da Disney.

O CEO Bob Iger, por exemplo, tem pessoalmente aconselhado a startup Sphero, uma empresa de robótica que se formou na Disney Accelerator na primeira classe e passou a ajuda-la num projeto que estará presente na próxima edição de Star Wars.

Há também outra startup, ChoreMonster, um aplicativo que incentiva as crianças a fazer suas tarefas, transformando isso num jogo, que estará presente na próxima animação que será lançada pela Disney-Pixar.

Outra startup, Naritiv, que faz software para rastrear campanhas de mídia social, ajudou a série de TV da ABC Family Pretty Little Liars a obter um milhão de seguidores no snapchat.

A startup Tyffon desenvolveu um aplicativo que para parques temáticos da Disney que permite transformar qualquer selfie em um personagem Disney.

Os resultados apresentados pela Disney Accelerator tem sido muito expressivos. A maioria das 10 empresas formadas no programa estão levantando financiamento junto a empresas de venture capital.

Quem é que não gostaria de trabalhar com inovação dentro dessa incrível fábrica de sonhos que é a Disney?