Plataforma treina empreendedores sociais da periferia de São Paulo

Avatar

Por Paula Zogbi

30 de outubro de 2015 às 10:46 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Com o objetivo de ampliar o impacto de ações positivas na periferia, a rede DoLadoDeCá realizou neste ano a primeira edição do projeto “Coaching na quebrada”, que viabiliza sessões de treinamento para empreendedores de comunidades de baixa renda da cidade de São Paulo.

Em parceria com o profissional de Coaching e Liderança Tom Almeida, que é formado pelo CTI: Coaching Training Institute, nos EUA, a plataforma selecionou quatro empreendedores ativos em comunidades de áreas periféricas e financiou sessões de coaching visando empoderamento e maior alcance das atividades que essas pessoas já desenvolviam. Nesta edição, os escolhidos foram: Carlos Canu, diretor do time de várzea e da sede da comunidade Vila Fundão; Fernando Negotinho, líder do do projeto São Mateus em Movimento; Thais Siqueira, que comanda o projeto Você Repórter da Periferia e Camila de Oliveira, mais conhecida como a cantora Poetiza.

De acordo com Thais, o projeto é essencial para a autoestima de seus participantes: “venho de periferia e, dentro do jornalismo, eu tinha muitas dificuldades. Tinha vergonha de falar em público, por exemplo, e o projeto me proporcionou um crescimento tanto profissional como pessoal. As sessões de coaching me fazem sentir melhor como pessoa, já consigo ajudar melhor as pessoas que participam do Você Repórter da Periferia”, afirma.

A experiência de Fernando mostrou também que esperar ações do governo não costuma ser a melhor maneira de realizar projetos positivos nas periferias. “Em 2007 criamos nosso próprio espaço, onde eu dava aula de capoeira e permitimos atividades artísticas e culturais. O coaching me ajudou a desenvolver melhor todas essas ações e agregar coletivos”, diz.

Segundo Wagner Sarnelli, diretor de novos negócios da Rede, disponibilizar a ferramenta para jovens empreendedores pode comprovar o impacto positivo nas comunidades e contribuir com a profissionalização de uma força de trabalho relevante no país. De acordo com o IBGE, mais de 11 milhões de brasileiros vivem em favelas, e iniciativas como esta são capazes de ajudar a tirar pessoas de atuações criminosas e do universo das drogas.

Para Canu, que também é diretor da DoLadodeCá, o diferencial do programa é estar realmente inserido nas comunidades onde atua: “não adianta chegar lá na comunidade e “girar pro lado errado”: tem que respeitar tudo o que acontece lá. Quando esse empreendedor potencializa o que já acontece lá dentro, trabalha junto com as pessoas para que elas saiam do crime, ele é super bem aceito. A diferença é que eles entendem as pessoas, então a abordagem é assertiva e o resultado é gigante”.

A Rede trabalha como impulsionadora de marcas dentro de comunidades. Suas parcerias incluem Unilever, Diageo, Heineken, grandes agências de publicidades e geração de conteúdo para a BusTV, por exemplo. Mas este projeto em específico, de acordo com o diretor, foi uma ação criada por conta própria.

Iniciada em junho, a primeira fase já está encerrando as atividades, e foi financiada totalmente pela DoLadoDeCá. Para as rodadas seguintes de treinamento, os participantes de 2015 realizarão contribuições simbólicas que ajudarão os participantes das fases seguintes, indicados pelos próprios beneficiários de agora. É uma contrapartida pelo treinamento que receberam ao longo destes meses.

“Como não temos nenhum patrocínio de marcas, quem participou dessa rodada poderá indicar outros influenciadores de comunidades e contribuir para a formação desses novos beneficiários, é uma rede de ajuda”, afirma Canu. É um modelo pioneiro que garante que as pessoas que participem do projeto sejam de fato relevantes dentro de sua zona de atuação, de acordo com a Rede.