País ex-União Soviética vira exemplo de empreendedorismo… e nós não

Da Redação

Por Da Redação

27 de setembro de 2017 às 11:13 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Quantas startups existem per capita no Brasil? Estamos tentando descobrir através do 1º Censo do StartSe para o ecossistema de startups, que estamos promovendo nestes próximos meses. Com ele, pretendemos descobrir números definitivos para o ecossistema empreendedor nacional.

Sabemos, porém, que não somos a Estônia. Esse pequeno país báltico, que fazia parte da famigerada União Soviética, virou um exemplo de inovação e empreendedorismo mundial.

Um país de 1,3 milhões de habitantes do lado da Rússia, a Estônia tem mais de 400 startups – existe cerca de 1 startup para cada 2.000 habitantes, a nação mais empreendedora do mundo. Isso supera Israel e chega perto do Vale do Silício.

Além disso, já montou uma startup gigante conhecida e usada pelo mundo inteiro, o Skype – comprada pela Microsoft por US$ 9 bilhões. Outro unicórnio? TransferWise, de transferência internacional de divisas.

Por aqui, um país de 210 milhões de habitantes, nenhum unicórnio ainda (os atuais candidatos são Nubank e 99). Startups da Estônia costumam adotar uma postura global desde o 1º dia, até por conta do tamanho do mercado interno do país, e isso ajuda muito no crescimento das startups.

O país tem várias medidas de sucesso, como o e-residency – que permite que pessoas de qualquer lugar do mundo montem um negócio digital no país em 15 minutos -, e o ensino de programação nas escolas desde pequenos (na verdade, algumas delas estão até ensinando a montar aplicativos para mexer com bitcoins atualmente).

O empreendedorismo é altamente encorajado: os impostos que são pagos por empresas por lá são baixos, feitos online em três minutos (compare com o Brasil… onde demora alguns meses). Além disso, o governo vem trabalhando pesado com as startups para garantir um ambiente bom para o empreendedorismo por lá – desejando até mesmo montar a própria criptomoeda digital, a Estcoin.

Portugal vê o exemplo da Estônia com olhos muito positivos e também quer se tornar uma nação empreendedora e moderna, mas ainda precisa fazer muito para se transformar em uma “nação-startup”. Bom seria se o Brasil também se interessasse em se tornar uma nação focada em empreendedorismo.

O ecossistema aqui ainda precisa evoluir para chegar lá. Estamos tentando mapeá-lo para saber exatamente o que o StartSe pode contribuir. Então dê uma força e responda ao nosso Censo, mesmo se você não tiver uma startup (vale a pena responder se você é participante no ecossistema em qualquer forma).

Faremos nossa parte levando duas pessoas que responderam ao senso por uma experiência incrível no Vale do Silício, conhecendo o que faz daquele lugar um local tão sensacional. Basta ter a melhor resposta para nossa pergunta! E vamos transformar o Brasil!!

Responda ao Censo