O que os desafios do empreendedorismo me ensinaram

Da Redação

Por Da Redação

20 de junho de 2017 às 12:35 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais
Por Camila Florentino, CEO da Celebrar

Sempre gostei de desafios e, por isso, provoquei muitos durante a vida. Saí da casa dos meus pais aos 18 anos e lidei, desde muito nova, com a total independência financeira e de vida – superei me tornando super responsável. Aos 19, fui morar nos Estados Unidos sem saber falar inglês – superei fazendo amigos estrangeiros. Aos 21, morei em um carro popular e, ao invés de pagar aluguel na república, pagava a parcela do carro, para acelerar meu deslocamento e trabalhar em mais eventos sem largar a faculdade – morando no estacionamento da USP, eu paguei o carro em 8 meses. Aos 25, decidi construir algo novo para tornar o mundo melhor e esse é o meu maior e atual desafio, ainda testando formas loucas para supera-lo. Ainda não pude mudar o mundo, mas aprendi coisas que já mudaram minha vida e, nesse texto, vou contar sobre as delícias de se empreender.

Desde as primeiras inspirações da Celebrar.co, eu sabia que seria algo muito maior do que eu. Tão tão maior, que seria impossível construir sozinha. Daí a sorte me escolheu e eu encontrei duas grandes forças:

De um lado, Patricia Cella. Meu oposto complementar, uma irmã da vida. Ela sente o que eu não sei sentir, entende coisas que eu não entendo e me faz parar para pensar em tantos outros pontos de vista. Uma explosão de emoções e talentos a flor da pele, junto com um brilho que vem do fundo e encanta. Me ensina a ser alguém melhor todos os dias. Ela sabe de tudo que tá acontecendo no mundo, até quando é só graça. Ela respira por nós, observa, protege e acalma.

Do outro lado, Monna Santos. Minha “MC” preferida, uma metralhadora de códigos e dona de uma inteligência que assusta. Ela joga o papo reto, é tão sincera que alucina. É um misto de razão e intelecto, transbordando coração. Me ensina a pensar antes de responder e planejar antes de fazer. Fala que o cavalo mordeu minha cabeça mas é mais paulistana do que eu. É organizada, sonhadora e talentosa. Criadora nata de memes, mestre dos clãs tudo, fábrica de jambu e baterista de músicas japonesas.

A gente bate cabeça, se abraça apertado, discorda, concorda, depois discorda de novo. A gente compartilha, aprende e se ama. Não sei onde isso tudo vai dar, mas se depender desse time ai da foto, o infinito fica aqui do lado!

O maior aprendizado desta jornada empreendedora foi que o potencial do coletivo é o nosso próprio potencial, que a vida só existe através das relações e ninguém faz nada sozinho. Além disso, mais duas grandes delícias foram aprendidas nesta jornada: o foco no problema e a importância da mudança.

Pois criatividade não é inventar um disco voador na garagem, isso é ser genial. Ser criativo é desenvolver caminhos diferentes para resolver problemas normais com os poucos recursos que temos. Para finalizar, algo que aquele tal Darwin disse faz muito muito tempo, mas eu só aprendi mesmo quando resolvi fundar a Celebrar: “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. Quem sobrevive é o mais disposto à mudança”.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]