O esforço que Ayrton Senna fazia para ser um piloto extraordinário

Da Redação

Por Da Redação

15 de março de 2018 às 16:27 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Um dos maiores ídolos nacionais das últimas décadas, Ayrton Senna foi um daqueles seres humanos que marcaram a vida de quem quer que estivesse por perto. O piloto de Fórmula 1 foi o exemplo de competência, competitividade e raça, mas de maneira ética. Ele foi um piloto e ser humano extraordinário, que deu o máximo de si sempre que esteve competindo e alcançou patamares inacreditáveis.

Quem via Ayrton Senna correr nas duas horas de cada corrida deveria, na verdade, ver as horas e horas de preparo que a antecediam – o trabalho para cada grande prêmio. Senna foi um dos precursores da preparação física dentro do Esporte. Além de ter um trabalho minucioso para saber os detalhes de cada pista, onde frear, onde acelerar com o pé fundo. Quem via “talento” não conhecia a dedicação e esforço que acompanhava tudo isso.

Um dos pontos mais importantes nesta preparação do Ayrton Senna era a sua cabeça. Senna fazia acompanhamento psicológico e tinha uma das mentes mais preparadas de sua. Não apenas para ser um piloto fenomenal em algumas voltas – mas consistente em todas elas, conseguir centrar seu pensamento de jeito.

“Um piloto não pode dar o melhor de si nas primeiras quatro ou cinco voltas e depois estragar tudo, jogando fora uma boa colocação. É claro que a consistência não é apenas uma qualidade natural, mas o resultado de um longo e duro treinamento físico, que lhe dá condições de expressar o melhor de si e chegar ao final das corridas, mesmo as mais árduas, nas mesmas condições com que as iniciou”, disse Ayrton.

Para ser extraordinário, Senna sabia que sem sua mente, ele não chegaria lugar nenhum. Esse era o principal pilar da sua carreira: sem ela, seria apenas mais um piloto que era rápido, mas não conseguiria a consistência de um vencedor. Nada é mais clichê do que uma pessoa talentosa e sem sucesso na vida. Para ser campeão, ele precisava trabalhar duro e manter-se controlado.

Para ser extraordinário, ele entendia que precisava de esforço todos os dias. Sentar no carro e acertá-lo constantemente, estudar as pistas e se preparar fisicamente e mentalmente para as corridas. Assim ele chegava em um ponto que conseguia ser campeão.

O trabalho da sua mente é um ponto importantíssimo também na hora de empreender. Muitos fracassam por não entender isso e não se preparam de acordo. Estamos tratando do assunto em um curso com Augusto Cury, um dos autores mais vendidos no Brasil – chamado “Seja Extraordinário”. Conheça o curso, mas seja rápido para se inscrever: as vagas estão abertas apenas até essa sexta-feira.