Nova Economia: as capacidades exigidas do novo advogado “gestor”

Recém-formados e estudantes de advocacia precisam de aprendizados complementares ao que é ensinado na grade curricular tradicional dos cursos de Direito

Avatar

Por Lucas Bicudo

3 de outubro de 2017 às 19:14 - Atualizado há 2 anos

Hoje já é um fato: recém-formados e estudantes de advocacia precisam de aprendizados complementares ao que é ensinado na grade curricular tradicional dos cursos de Direito. Chegamos à Era Exponencial, com novas tecnologias mudando o curso de indústrias seculares. O advogado precisa ser um gestor, participar do negócio. Ser um gestor viabilizador, antenado.

“A gestão de departamento jurídico não é algo que está em discussão nas faculdades. E quando eu falo gestão de departamento jurídico eu estou falando de uma série de atribuições e conhecimentos que o gestor acaba tendo que buscar depois da faculdade. Conhecimento contábil, financeiro, gestão de projetos, implantação de melhorias. Tem um universo gigantesco de novos conhecimentos que não são explorados. Faz todo o sentido levar esses conhecimentos de lawtechs para o mundo acadêmico”, comenta Ricardo Querino, Gerente Jurídico da Magazine Luiza, em entrevista ao StartSe.

É alinhado com esse discurso que montamos uma seleção de novas capacidades para que esse advogado se torne definitivamente um gestor preparado para o mercado – e exemplos práticos de como capitaliza-las. Mas antes disso, gostaria de fazer um convite: LawTech Conferece, maior conferência de lawtechs da América Latina. Se você se interessa pelo assunto e quer conhecer o que há mais de novo acontecendo no jurídico, não perca a oportunidade de participar.

Vamos lá:

Networking

Ao invés de apresentar estudantes para empregadores, as faculdades deveriam ensinar como criar essas conexões. Lawcountability J.D. é um aplicativo que oferece vídeos de instrução sobre como potenciais advogados podem vender seu peixe e fazer network. Ele foi recentemente implantado em mais de 70 escolas de Direito nos Estados Unidos. Uma dessas escolas é a Faculdade de Direito Sandra Day O’Connor, da Universidade Estadual do Arizona, onde Alfred Ray English, assistente de reitor do Escritório de Serviços de Carreira e Emprego, estava aberto a oferecer a tecnologia aos estudantes. Ele observou que o aplicativo é fundamental, dado que a maioria dos empregos legais “são adquiridos através de redes profissionais”.

A solução consiste em webinars semanais de 10 minutos. A ideia é que alunos “se conectem de forma mais eficaz com potenciais empregadores, através de acompanhamento, mídia social e criação de conteúdo”. Além disso, cada webinar está associado a três tarefas, como a criação de um perfil do LinkedIn, para ajudar os alunos a transformar aulas teóricas em atividades práticas. As tarefas podem ser rastreadas através do aplicativo, que fornece um valor de ponto para cada tarefa concluída. A sacada é promover a gamificação e o benchmarking.

Analytics

Estávamos falando da relação advogado x empregador. O networking ajuda a estreitar essa relação, mas hoje em dia os advogados também precisam ser capazes de colocar seus currículos nas mãos dos empregadores certos. Entende? Não é questão de sorte. É questão de análise de perfil. Alguns recrutadores estão confiando em tecnologia avançada para combinar empresas com candidatos certos.

A TRU Staffing Partners, uma empresa de recrutamento e cibersegurança, está criando perfis específicos de pesquisa de emprego e informações analíticas sobre seus bancos de dados e CRM para combinar melhor os funcionários potenciais com escritórios de advocacia e empresas. Jared Coseglia, fundador e CEO da TRU Staffing Partners, observou que, embora essas análises ainda estejam em desenvolvimento e, por enquanto, apenas usadas internamente, a agência espera oferecer-lhes publicamente em meados de 2018.

Tecnologia

Mplace é um aplicativo que permite que escritórios de advocacia e corporações escolham advogados para um determinado tipo de projeto. Os advogados podem se inscrever na plataforma, criando um perfil que lista suas qualificações e contém seu currículo. Caleb King, co-fundador da Mplace, observou que o aplicativo é usado por muitos recém-formados. Por enquanto, os projetos listados no aplicativo “se concentram exclusivamente no sourcing [advogados] para projetos de revisão de documentos”, disse ele. “É uma maneira eficaz de obter fluxo de caixa e construir experiências e conexões”.

King acredita que um dos principais benefícios do Mplace é que os candidatos “realmente recebem em tempo real uma oferta que podem aceitar em oposição ao fluxo de trabalho mais tradicional”.

Participe do LawTech Conferece

(via LegalTech News)

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]