No passageiro da Kombi Carioca

Avatar

Por Lucas Bicudo

25 de abril de 2016 às 13:24 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Kombi Carioca é um recém formado Beer Truck, idealizado pelos sócios Leandro Dorea e Thiago Nicola, e que tem a proposta de vender rótulos de micro-cervejarias brasileiras. O charme começa pela escolha do modelo que dá rodas ao pub itinerante: uma corujinha, versátil e espaçosa, que conforme as necessidades dos dois amigos, dispõe muito bem em apresentar as cervejas disponíveis ao público que os visitam diariamente.  O cenário? Rio de Janeiro, não poderia ser diferente. A cidade maravilhosa começa a munir-se de ideias maravilhosas, como a que deu início a esse projeto que começa a tomar forma.

Para entender um pouco melhor a filosofia de mercado dessa startup, é interessante mapear de onde vieram seus fundadores e quais eram suas intenções ao montarem esse modelo de negócio. Bem, tudo começou com Leandro Dorea, que após se formar em comércio exterior, foi trabalhar como despachante aduaneiro. A rotina monótona do escritório o levou a largar tudo e fazer um mochilão pela Europa, onde teve o primeiro contato com cervejas premium e artesanais. A paixão foi quase que imediata e planos começaram a germinar em sua cabeça ao retornar para o Brasil. A prática de toda essa idealização surgiu ao cursar Empreendedorismo Cervejeiro, pela Beer Academy, o que o levou a vender sua moto (uma das paixões de Dorea), comprar a Corujinha e ir adiante com o negócio, ao lado de um amigo dos tempos de colégio.

Pois bem, outras oportunidades bateram na porta desse amigo, que acabou por ser transferido para outro estado a trabalho, e foi nesse ponto que o caminho profissional de Leandro cruzou com o de seu atual sócio. Thiago Nicola é formado em Análise de Sistemas e divide a paixão por cervejas artesanais com o parceiro, tendo no currículo cursos de produção de cervejas, pela Confraria do Marques. Uma coisa aliou-se à outra e tornou-se importante para os dois que dividissem uma sociedade, no ramo de fetiche que ambos flertavam já há algum tempo. É a partir daí, da visão e amor compartilhado por cervejas, que o projeto começou a engrenar.

Ao questioná-los sobre como vai o andamento do projeto, acerca de crescimento, clientes e faturamento, a resposta é bem otimista quanto ao que já rolou, tanto com o que vai rolar: “Vai muito bem! Temos muitos clientes que nos seguem fielmente e bastante gente que aparece falando que já conhece a Kombi, através do boca-boca ou pela internet. Nosso crescimento foi melhor do que imaginávamos. O início, como já era de se esperar, foi relativamente difícil, até porque não existia eventos de Food Truck em massa no Brasil. Pegamos essa onda bem no começo e hoje podemos nos orgulhar de dizer que passamos de um faturamento mensal de R$ 600, para um de cerca de quase R$ 30 mil, em apenas um ano de desenvolvimento do projeto. Estamos participando de bastante eventos e hoje, a cada final de semana, nos alocamos em um lugar diferente, com um público diferente, é bem satisfatório. Daqui para frente, pretendemos ter uma rede de franquias. Espalhar o nome Kombi Cariocas pelo Brasil e mundo a fora.  Estamos pensando em um modelo de franquias que funcione tanto para Beer Trucks, em quatro rodas, quanto para pontos fixos, experiência essa que estamos adquirindo ”.

Como qualquer boa ideia em fase de desenvolvimento, o projeto procura angariar cada vez mais investimentos e consultoria acerca de estratégias de negócios que possam levar a Corujinha, dos sócios Leandro e Thiago, sempre a um patamar adiante.

Os produtos à venda na Kombi ainda não são de origem autoral, mas como os sócios fazem questão de rechaçar: “temos sérios planos para um dia ainda termos o nosso próprio rótulo”. A escolha pela divulgação de micro-cervejarias brasileiras é baseada na fomentação de um mercado que ainda anda a passos curtos aqui no Brasil. Nesse sentido, o que os diferencia dos demais projetos startups de Food and Drink Trucks, é o pioneirismo em um assunto que ainda não passa muito pela boca do povo brasileiro, acostumado com as cervejas comerciais do tipo Pilsen, ou encantado com a grife de cervejas estrangeiras.