Jeff Bezos foi hackeado por príncipe saudita por meio do WhatsApp, diz jornal

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

22 de janeiro de 2020 às 12:13 - Atualizado há 10 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Um vídeo recebido através do WhatsApp teria dado ao príncipe saudita Mohammed bin Salman acesso ao smartphone de Jeff Bezos. As informações são do The Guardian. De acordo com o jornal, a invasão teria acontecido no dia 1º de maio de 2018.

Teria sido “altamente provado”, após perícia, que a invasão teria sido realizada a partir do vídeo infectado. Salman e Bezos já se conheciam e tinham uma conversa amigável – eles haviam jantado juntos semanas antes em uma reunião do produtor Brian Grazer.

Suspeitas sobre a invasão no celular de Bezos surgiram após o empresário ter fotos de um affair com a apresentadora Lauren Sanchez divulgadas no jornal National Enquirer no ano passado. Ele havia acabado de anunciar seu divórcio. Bezos, que também é dono do The Washington Post, afirmou em uma carta aberta – com direito a prints das mensagens – que estava sendo chantageado por David Pecker, dono do tabloide na Arábia Saudita.

Após investigar o fato, Gavin de Becker, chefe de segurança de Bezos, afirmou em um editorial na imprensa em março de 2019 que a invasão teria sido feita pela Arábia Saudita. Ele também afirmou que o dono do National Enquirer teria desenvolvido um relacionamento próximo com Mohammed bin Salman. Ele não entrou em detalhes de como a invasão teria acontecido. Pecker e a Arábia Saudita negaram as acusações na época.

Nesta quarta-feira (22), o ministro da Arábia Saudita Príncipe Faisal bin Farhan e a Embaixada da Arábia Saudita nos Estados Unidos negaram as acusações. Eles a chamaram de “absurdas”.