Jack Ma, fundador do Alibaba e o homem mais rico da China, irá se aposentar

Jack Ma irá dedicar seu tempo a projetos relacionados à educação e filantropia – “eu quero voltar à educação porque é isso que eu amo fazer”, disse ele

Avatar

Por Isabella Câmara

10 de setembro de 2018 às 14:47 - Atualizado há 1 ano

Jack Ma, cofundador da gigante Alibaba, anunciou que vai deixar a presidência da companhia para dedicar seu tempo e dinheiro a projetos filantrópicos relacionados à educação. A saída do executivo, que só ocorrerá em setembro de 2019, quando o Alibaba completará duas décadas de vida, significa o ”começo de uma nova era”, disse ele ao jornal americano The New York Times. “Essa transição demonstra que o Alibaba avançou para o próximo nível de governança corporativa, de uma empresa que depende de indivíduos para uma construída baseada em sistemas de excelência organizacional e uma cultura de desenvolvimento de talentos”.

Mesmo com sua saída, o empresário, que tem apenas 54 anos e é dono de uma fortuna avaliada em US$ 39,9 bilhões, continuará no conselho da empresa até 2020 e permanecerá no Alibaba Partnership, um grupo de gerente seniors que também controlam o negócio. Como sucessor, Jack Ma nomeou Daniel Zhang, o atual CEO da empresa. Além disso, Ma detém cerca de 6% da companhia, que hoje tem um valor de mercado estimado em US$ 420 bilhões.

Apesar do desligamento do bilionário ser incomum para os padrões chineses – no qual os grandes empresários costumam trabalhar muito além dos cinquenta anos -, a dedicação à educação não é uma surpresa. Antes de fundar o Alibaba há 19 anos, o executivo era professor de inglês e sempre deixou claro sua paixão por educação – “eu amo educação”, disse ele.

Além disso, Jack Ma sempre falou sobre a sua vontade de se aposentar ainda jovem. No ano passado, durante o Fórum Econômico Mundial, ele disse que não queria “morrer no escritório”. “O mundo é tão maravilhoso. Por que eu preciso ser o CEO do Alibaba todo o tempo? Eu não vim para esse mundo para trabalhar, vim para cá para aproveitar a vida. Eu não quero morrer no escritório, quero morrer na praia”, afirmou na época.

O império

O ex-professor de inglês criou o Alibaba em 1999, que começou com um mercado online para as empresas venderem seus produtos para outras empresas. Sob o comando de Ma, a companhia tornou-se uma das maiores e mais poderosas empresas de tecnologia do mundo – o Alibaba é o maior player de e-commerce do país; criou o Alipay, o sistema de pagamentos dominante do país; administra empresas de cloud computing e expandiu seu alcance para a Índia e o Sudeste Asiático.

Ou seja, além de e-commerce, serviço de pagamento e essas outras aplicações, o império do Alibaba abrange mídia digital, entretenimento e até mesmo um serviço de mensagens corporativas semelhante ao Slack. Além disso, a empresa possui ou detém participações em alguns dos ativos de mídia mais importantes da China, incluindo o site de mídia social semelhante ao Twitter, Weibo, e o jornal de língua inglesa The South China Morning Post, com sede em Hong Kong.

Com o crescimento da empresa, Jack Ma falou muitas vezes como ele não queria passar toda a sua vida trabalhando e prometeu, inclusive, que se aposentaria para voltar a ensinar. Prometeu e cumpriu – mesmo antes de anunciar sua aposentadoria, ele criou, em 2014, a Fundação Jack Ma, que trabalha para melhorar a educação da China rural. Agora, com sua saída do Alibaba, anunciada no Dia do Professor, o executivo pretende dedicar seu tempo à projetos relacionados à educação.

“Eu quero voltar à educação porque é isso que eu amo fazer”, disse ele no comunicado da empresa. “O mundo é grande e eu ainda sou jovem, então quero experimentar coisas novas”. Além disso, em uma entrevista à Bloomberg TV na semana passada, Ma sinalizou que estava pensando também em se concentrar mais na filantropia – e até citou Bill Gates como exemplo. Jack Ma disse que nunca poderia ser tão rico quanto Gates – mas que ele poderia se aposentar antes de Gates, que deixou sua empresa em 2014, aos 58 anos.

Jack Ma irá se despedir do Alibaba no ano que vem, mas treinou seu sucessor Daniel Zhang, o atual CEO da empresa, para assumir seu lugar. Mas para aproveitar ao máximo o potencial dos novos talentos profissionais que estão surgindo, todas as empresas, assim como o Alibaba, precisam ficar por dentro de tudo que faz parte dos trabalhos do futuro. Quer saber mais? Participe do RH Day!