GM faz história: duas mulheres nos cargos mais altos da companhia

Nenhuma outra grande montadora possui duas mulheres no comando da empresa ou em funções executivas tão altas

Avatar

Por Isabella Câmara

15 de junho de 2018 às 13:51 - Atualizado há 2 anos

Atualmente, existem muitas mulheres trabalhando na indústria automotiva global. Porém, esse cenário se modifica quando falamos de posições de liderança e grandes responsabilidades. Segundo a quinta edição da pesquisa Women in the Boardroom, realizada pela Deloitte, apenas 15% dos assentos nos conselhos de administração em todo mundo são ocupados por mulheres, e o indicador diminui para 7,7% quando se trata da participação feminina na liderança das organizações brasileiras.

No setor automotivo, principalmente, os negócios são compostos majoritariamente por homens. Mas o cenário parece estar mudando e é por isso que as notícias de que o Diretor Financeiro da General Motors, Chuck Stevens, se aposentaria e seria sucedido por Dhivya Suryadevara, de 39 anos, foram surpreendentes. Agora, a GM tem duas mulheres comandando o negócio: Suryadevara como CFO e Mary Barra, que é a CEO da empresa desde 2013. Além de Suryadevara e Barra, a equipe de executivos é composta por outros dois homens, Mark Reuss, vice-presidente de produto e Dan Ammann, o presidente da companhia e “futurista”, perseguindo oportunidades como o Cruise e carros autônomos.

A liderança executiva da GM é uma reversão impressionante da empresa que quase faliu no passado – e representa um diferencial competitivo quando comparado a quase todas as outras montadoras em atividade. Só a rival Ford é a mais próxima da GM em termos de equilíbrio de gêneros em cargos de liderança, com Marcy Klevorn supervisionando os esforços de mobilidade da empresa. Já a Fiat é totalmente masculina quando falamos de cargos de liderança, assim como o Grupo VW, a Daimler (matriz da Mercedes-Benz) e a Toyota. Em todas as montadores citadas há muitas mulheres com cargos importantes, mas os de alta liderança são ocupados somente por homens.

Muitos defendem que Barra é indiscutivelmente a melhor CEO que a empresa já teve, principalmente por ter assumido o cargo em um momento complicado para a montadora. E é por isso que o movimento da GM é tão importante – a CEO se esforçou para manter a GM relevante em um cenário em rápida mudança, com a aquisição da Cruise e com o lançamento do Chevy Bolt totalmente elétrico.

Da Índia aos Estados Unidos

Embora Suryadevara nunca tenha imaginado entrar na indústria automotiva, ela disse a Real Simple que sempre gostou de qualquer coisa “desafiadora e complicada”. Seu pai faleceu quando a moça ainda era jovem e todos os deveres caíram sobre sua mãe. “Minha mãe teve que criar três filhos sozinha, o que é difícil de fazer em qualquer lugar, ainda mais na Índia”, disse ela. “Ela queria ter certeza de que não havia lacunas quando se tratava de nossa educação e para provar que poderíamos ter os mesmos recursos que uma família de dois pais”.

Após completar seu bacharel e mestrado na Universidade de Madras, Suryadevara viajou para os EUA pela primeira vez para estudar na Harvard Business School, onde cursou seu MBA. Suryadevara começou a trabalhar na GM anos atrás, e sua nomeação como CFO é muito significativa: ela é a primeira diretora executiva da história dos 110 anos da montadora. “A experiência e a liderança de Dhivya em várias funções importantes em nossas operações financeiras a posicionam de forma a aproveitar os fortes resultados de negócios que entregamos nos últimos anos”, disse a Barra em um comunicado.

Baixe já o aplicativo da StartSe
App StorePlay Store