Empreendedores de sucesso contam sobre seu negócio de infância

De vender cervejas a vender pedras, o primeiro negócio dos empreendedores é bem diferente do negócio que possuem atualmente

Avatar

Por Júlia Miozzo

5 de Maio de 2015 às 13:41 - Atualizado há 5 anos

SÃO PAULO – Já parou para pensar se empreendedores de sucesso realmente começaram seus negócios com aquela ideia? Muitos deles, ainda quando crianças, apresentavam ideias um tanto inusitadas e diferentes do negócio que possuem hoje.

O site Inc. conversou com seis donos de negócios sobre como começaram a empreender e descobriu que, em sua maioria, eles conseguiram dinheiro sendo babás, entregando jornais, vendendo frutas e dando aulas particulares – algumas respostas, entretanto, iam desde vender pedras até vender cervejas.

Sua startup precisa de ajuda? Cadastre sua startup no StartSe e fale com investidores, mentores, aceleradoras e fundos de investimento. É gratuito.

Confira algumas das respostas mais inesperadas dadas pelos empreendedores:

Revelação de filmes
Barry Schiler, ex-CEO da AOL

“Fui de porta em porta em nosso bairro oferecendo a revelação de filmes fotográficos no mesmo dia, usando a sala escura de nosso porão. Quando mostrei que era capaz de fazer isto e descobri o quanto cobrar, fiz alguns flyers no mimeógrafo da escola. Não obtive muitas respostas até que consegui um certificado e, após isso, deu tão certo que consegui comprar a câmera dos meus sonhos – a Nikon F1”.

Vender cervejas (aos 5 anos)
Rachel Hofstetter, fundadora do Guesterly, startup que customiza livro de fotos para casamentos

“Eu vi as sobras de cervejas das festas dos meus pais, sabia que os adultos gostavam de cerveja e comecei a vender cervejas a 5 centavos a garrafa na estrada. Esse meu negócio foi fechado três horas depois, quando minha mãe descobriu o que eu estava fazendo. E continuei cobrando as crianças do bairro para usarem o computador dos meus pais, outro negócio que meus pais também fecharam”.

Demonstrar produtos em exposições
Rachel ten Brinck, co-fundadora da Scentbird, serviço de assinatura de perfumes

Quando era adolescente, eu organizai alguns amigos e criei uma “agência” para demonstrar produtos em exposições em Porto Rico, onde nasci. Isso deu certo por um tempo, mas adolescentes são excêntricos e eu acabei cobrindo diversos turnos por conta própria”.

Fabricar e vender cadarços
Jeni Britton Bauer, fundador da Jenis Splendid Ice Creams

“Eu comecei diversos negócios quando criança. Tive um estande de limonada, mas achava isso muito chato. Tive um negócio de cadarços em que eu fabricava e vendia toneladas deles nas férias – e outras crianças também vendiam para mim. Mas o diretor do meu colégio pediu que eu parasse de vende-los”.

Vender pedras
Misa Chien, co-fundadora da Fosubo, empresa de gerenciamento de experiência do consumidor, e Elena Chien, fundadora da joalheira See Real Flowers

“Minha irmã e eu começamos como empreendedoras aos 5 e 6 anos de idade. Não sabíamos o que vender, então recorremos a vender pedras em nossa garagem para os carros que passavam. Tenho que dizer que eram vendas difíceis – não havia muita demanda”.

Fazer chapéus
Matt Benedetto, fundador da Eastern Collective, fabricante de acessórios tecnológicos

“Quando tinha uns 12 anos, minha mãe me deu algumas linhas e agulhas de crochê de Natal. Éramos uma família que esquiava, então ela achou que seria legal me ensinar a fazer gorros de inverno. Meus amigos nas montanhas começaram a perguntar sobre eles, dizendo que também queriam um. Eu poderia fazer um gorro inteiro em 90 minutos, então fiz gorros para meus amigos por US$ 15 por peça. Ao longo do verão, criei um site com o botão do PayPal e um campo para texto, então as pessoas poderiam pedir as cores e estampas que queriam em seus gorros e eu os entregaria. Fiz propagandas em fóruns de esqui e, aos quinze anos, já parecia que eu teria artrites precoces nas mãos, então procurei o Alibaba e comecei a terceirizar minha produção de gorros na Ásia”.