Em um ano, empreendedor sai da falência e vira exemplo de superação

Embora ainda esteja pagando suas dívidas, Gaignard hoje é um nome reconhecido no mundo do empreendedorismo e negócios, tudo devido a sua rede de relacionamentos

Avatar

Por Júlia Miozzo

3 de junho de 2015 às 12:19 - Atualizado há 5 anos

SÃO PAULO – A vida de Jayson Gaignard, hoje palestrante do TED Talk for Entrepreneurs, já passou por altos e baixos para chegar até o topo. Em entrevista ao Entrepreneur, ele conta que começou seu próprio negócio ao largar o colégio, em 2007, entregando ingressos para shows pessoalmente – uma espécie de serviço de concierge.

O negócio cresceu e, tão cedo, tornou-se a Tickets Canada, empresa que chegou a alcançar US$ 5 milhões em vendas anuais. Já não muito feliz com o negócio, ele decidiu vender a empresa – mas surpreendeu-se com desonestidade de seu sócio (que gastou o que não podia e fugiu do país, deixando a fatura para Gaignard) e ainda enfrentar diversos problemas pessoais.

Inscreva-se agora no curso Startup de A a Z: construindo negócios campeões. Garanta o seu lugar, porque as vagas são limitadas. CLIQUE AQUI.

No final de 2012, um amigo o convidou para um evento com o lendário vendedor e escritor Seth Godin, cujo tema era “economia da conexão”, ou sobre a teoria de que há grande valor em ser o catalisador entre dois indivíduos que pensam iguais. Voltando para casa, e já engajado no tema, ele criou o famoso Mastermind Dinners, em Toronto. Os “jantares” são pequenas reuniões de empreendedores selecionados da rede de contatos de Gaignard.

O empreendedor organiza todos os jantares, planejando a lista de convidados, tamanho do grupo, o local e até mesmo o tema das conversas. “Eu raramente participo de meus jantares”, ele disse. “Eu já dei jantares onde não tinha nem um lugar para sentar ou comer, e estou bem com isso. Eu só fico em volta para ter certeza de que todos estão se conectando e aproveitando”. Ele começou os jantares quando não tinha um tostão no bolso, mas gastava de US$ 600 a US$ 800 por jantar.

Alguns meses depois, em 2013, ele fez uma aposta ainda maior na economia da conexão, que começou quando o autor e empreendedor Tim Ferriss não consegiu emplacar seu livro, The 4-Hour Chef, nas redes de livrarias tradicionais, pois a Amazon estava o publicando. Ele precisava enviar rapidamente seus livros, mas não tinha uma rede de distribuição potente o suficiente.

Ferriss ofereceu duas palestras gratuitas para a rede de Gaignard se ele decidisse comprar os 4 mil livros. E ele aceitou. O único problema é que o preço seria em torno de US$ 84 mil e o empreendedor não tinha o dinheiro para tal. E foi através de sua rede de contatos que ele conseguiu arrecadar o dinheiro para comprar todas as unidades.

Neste período, Gaignard ainda estava falido, mas já possuía uma carta nas mangas: um evento com Ferriss, um dos palestrantes mais procurados do mundo. Com isso, ele usou as duas palestras que acabara de comprar para lançar o primeiro evento MastermindTalks alguns meses depois.

Para o evento, ele selecionou 100 participantes de mais de 4.200 currículos e falou ao telefone com todas as pessoas que compraram o ingresso, garantindo o reembolso para os que não acreditavam no esquema. Naquele ano, ele reembolsou uma dúzia de ingressos, perdendo mais de US$ 43 mil.

Quando estabeleceu um controle de qualidade, Gaignard recuperou todo o dinheiro, fazendo com que participantes pedissem para poder comprar o ingresso – e os palestrantes que, normalmente, cobram um preço alto começaram a participar de graça. Tudo isso pois o público que participa do evento é reconhecido no mundo todo.

Neste ano, o terceiro evento teve ingressos esgotados rapidamente, atraindo mais atenção do que nunca com a Tesla como parceira do evento.

Embora ainda esteja pagando suas dívidas, Gaignard hoje é um nome reconhecido no mundo do empreendedorismo e negócios, tudo devido a sua rede de relacionamentos. “Muitas pessoas não investem em seus relacionamentos por não conseguirem um retorno imediato de investimento disso”, ele explica. “Por isso muitas pessoas não levam isso a sério”.