Elon Musk: “Eu não respeito a SEC”

Da Redação

Por Da Redação

10 de dezembro de 2018 às 10:10 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou a ser manchete por suas declarações polêmicas. Ele disse que não respeita a Securities and Exchange Commission (SEC), autoridade máxima nos Estados Unidos, responsável pelo mercado de capitais.

“Quero ser claro, não respeito a SEC”, disse Musk ao ser questionado sobre o processo movido pelo órgão contra ele. A declaração foi feita em entrevista a jornalista Lesley Stahl, do programa 60 Minutes, no domingo (9).

O imbróglio entre Musk e a SEC começou em agosto, quando o fundador da Tesla entrou no Twitter para contar aos seus 23,6 milhões de seguidores que havia conseguido fundos para tornar a Tesla uma empresa de capital fechada.

No post, Musk afirmou que possuía “financiamento garantido” para tirar a Tesla da bolsa, recomprando todas as ações da empresa. Posteriormente, descobriu-se que ele estava blefando. Já era tarde, pois o efeito no preço das ações da Tesla foi imediato ao post no Twitter. Houve uma enxurrada de reclamações junto à SEC. As queixas vieram de investidores que perderam muito dinheiro com o post de Musk.

A SEC agiu rapidamente, processando por fraude o executivo sul-africano. No final de setembro, o caso foi resolvido para evitar um julgamento. Tanto Musk quanto a Tesla foram multados em US$ 20 milhões. Havia também várias outras condições, incluindo a exigência de que Musk renunciasse ao cargo de presidente do conselho da Tesla (ele continua sendo o CEO) e que a Tesla instituísse alguma forma de supervisão dos tweets de Musk para evitar que situações semelhantes ocorressem no futuro.

No final de setembro, Musk chegou a um acordo com a SEC. Ele manteve o posto de CEO da empresa, mas teve de abrir mão da presidência do conselho de administração. Para o cargo, foi nomeada Robyn Denholm, executiva de finanças da operadora australiana de telecomunicação Telstra. A Tesla também foi obrigada a pagar US$ 20 milhões à SEC como parte do acordo.

Além disso, a SEC disse que Tesla deve colocar “controles e procedimentos adicionais para supervisionar as comunicações de Musk”, incluindo seus tweets. No entanto, durante a entrevista ontem ao programa 60 Minutes, Musk disse que ninguém reviu nenhum de seus tweets desde o acordo com a SEC.

“Os únicos tweets que teriam que ser, digamos, revisados, seriam se um tweet tivesse uma probabilidade de causar um movimento nas ações da Tesla”, disse Musk. Pelo acordo com a SEC, a Tesla tem até 28 de dezembro para colocar em prática procedimentos para revisar qualquer comunicação pública de Musk, que possa conter fatos relevantes sobre a Tesla.